Novo tipo de estrela é descoberto

A origem das variações é desconhecida, mas os astrônomos observaram que algumas parecem ter uma rotação rápida, superior a sua "velocidade crítica", limite a partir do qual as estrelas se tornam instáveis e ejetam matéria ao espaço


Astrônomos suíços descobriram um novo tipo de estrela, cuja luminosidade é mutável e se diferencia das "variáveis ou pulsantes", informou nesta quarta-feira o Observatório Europeu Austral (ESO), que administra o observatório de La Silla, Chile.

A informação sobre esse novo tipo de estrela também aparece em um artigo da revista "Astronomy and Astrophysics" esta semana.

"A descoberta se baseou na detecção de mudanças bem pequenas no brilho das estrelas de um cúmulo. As observações revelaram propriedades anteriormente desconhecidas dessas estrelas que desafiam as atuais teorias e abrem novas interrogações sobre a origem das variações", afirmou o ESO em um comunicado.

A observação foi realizada por uma equipe de astrônomos suíços que utilizaram o telescópio, também de procedente suiça, o Euler, de 1,2 metros, instalado em La Silla, na cidade de La Serena, norte de Santiago.

"Os novos resultados se baseiam na medição regular de mais de 3.000 estrelas situadas no agrupamento galático NGC 3766 ao longo de sete anos", segundo o comunicado.

Essas medições revelaram que 36 dessas estrelas seguiam um padrão incomum: pequenas variações regulares em seu brilho, que supõem 0,1% do brilho normal das estrelas.

A periodicidade dessas variações está entre duas e vinte horas.

"Essas estrelas de novo tipo, que ainda não receberam um nome, são levemente mais quentes e brilhantes que o nosso Sol, e a não ser por estas variações, não se distinguem das demais estrelas de seu tipo", indicou ainda o ESO.

"A existência desta nova classe de estrelas variáveis constitui um desafio para os astrofísicos", explicou Sophie Saesen, uma das integrantes da equipe de pesquisa.

"Os modelos teóricos atuais não preveem que a luz varie periodicamente e nosso esforço consiste, por isso, em conhecer melhor o comportamento desse novo tipo de estrela", acrescentou.

A origem das variações é desconhecida, mas os astrônomos observaram que algumas parecem ter uma rotação rápida, superior a sua "velocidade crítica", limite a partir do qual as estrelas se tornam instáveis e ejetam matéria ao espaço.

"Nestas condições, a rotação rápida terá um impacto importante em suas propriedades internas", afirmou Nami Mowlavi.

O estudo das variações de luminosidade das estrelas variáveis ou pulsantes criaram um novo ramo da astrofísica, a asterosismologia (ou astrosismologia, ou sismologia estelar).


12/06/13

Nenhum comentário:

Postar um comentário