Os anéis e satélites de Saturno podem ser mais jovens do que os dinossauros

idade dos anéis e satélites de Saturno
Durante o período Cretáceo, Saturno provavelmente tinha uma aparência bem diferente daquela que conhecemos hoje

Os satélites e os anéis de Saturno podem ter se formado muito tempo depois da era dos dinossauros. Segundo nova modelagem de computador, os anéis e as luas de Saturno não devem ter mais do que 100 milhões de anos!



Até onde se sabe, Saturno hospeda 62 satélites naturais, todos influenciados não apenas pela gravidade do planeta, mas também pela gravidade deles mesmos. Um novo modelo de computador sugere que os satélites de Saturno Tétis, Dione e Reia não tiveram mudanças de inclinações orbitais, típicas de satélites antigos que interagiam com outros corpos durante longos períodos de tempo. Em outras palavras, elas são muito jovens.

Saturno e Titã
Saturno e sua lua Titã. Créditos: NASA / JPL-Caltech / Cassini
Clique na imagem para ampliar

"As luas estão sempre mudando suas órbitas, e isso é inevitável", disse Matija Cuk, investigador principal do Instituto SETI e um dos autores da nova pesquisa. "Mas esse fato nos permite usar as simulações de computador e entender a história dos satélites internos de Saturno. E após fazer isso, percebemos que os satélites de Saturno têm cerca de 2% da idade do planeta."

A idade dos anéis de Saturno está sob debate desde sua descoberta, em 1600. Em 2012, astrônomos franceses sugeriram que algumas luas internas e seus famosos anéis parecem ser muito jovens. Os pesquisadores mostraram que os efeitos de maré (interação gravitacional com os fluídos internos ou externos) poderia fazer com que os satélites se distanciassem em um intervalo muito curto.




Saturno tem dezenas de satélites naturais que estão se distanciando lentamente devido aos efeitos de maré. Além disso, alguns satélites podem ocasionalmente se mover em ressonância orbital, onde um completaria uma volta ao redor de Saturno duas vezes mais rápido, ou três vezes mais rápido do que o outro, e se isso acontece, os satélites podem ter suas gravidades afetadas, o que causa um distanciamento e uma inclinação do seu plano orbital original.

Os modelos de computador mostram que os satélites de Saturno não estão na posição que deveriam estar, e que Tètis, Dione e Reia se distanciaram muito pouco, sugerindo que não estão muito longe de onde nasceram.

As maiores luas de Saturno - comparação com a Lua da Terra
Os maiores satélites naturais de Saturno em escala comparados com a Lua da Terra.
Créditos: divulgação

Para chegar mais próximo da idade real das luas de Saturno, Matija usou os gêiseres de gelo da lua Encélado, supondo que a energia que impulsiona os gêiseres vem de interações de maré com Saturno. Usando as simulações de computador, os pesquisadores concluíram que Encélado se moveu de sua posição original para sua posição atual nos últimos 100 milhões de anos, o que nos mostra que, provavelmente, se formou durante o período Cretáceo. Isso também seria uma evidência de que os outros satélites internos de Saturno, assim como seus anéis são todos muito jovens. Se os dinossauros tivessem telescópios, eles veriam Saturno sem aquela exuberância toda... bem diferente do Saturno que conhecemos hoje...




Os satélites mais distantes, Titã e Jápeto não teriam se formado ao mesmo tempo que os outros. "Então surge a pergunta: o que causou o recente nascimento das luas internas?" indaga Matija Cuk. "O nosso melhor palpite é que Saturno tinha uma coleção semelhante de luas antes, mas suas órbitas foram perturbadas por um tipo especial de ressonância orbital envolvendo o movimento de Saturno em torno do Sol. Com o passar do tempo, os satélites colidiram, formando os satélites mais jovens e os incríveis anéis."



Fonte: Astrophysical Journal / SETI / Space
Imagens: (capa-divulgação) / NASA / JPL-Caltech / Cassini / divulgação
29/03/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 comentários:

  1. excelente matéria! a ilustrução ficou muito boa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Diego! Um grande abraço!

      Excluir
  2. Correção: A captura gravitacional por Saturno, de suas atuais luas
    e partículas que formam os anéis, é que é mais recente que a existência dos
    dinossauros. Grrroarrrrrr! O Limite de Rochier na Terra não foi eficiente
    o bastante para despedaçar o super asteróide que matou os coitadinhos a
    65 milhões de anos. Seria ótimo uma Terra com anéis formados por
    despedaçamento de asteróides... e carnivorossauros almoçando humanos em
    um planeta ainda limpo pela não-poluição. AAAAAAAAAAAA! nhac!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não necessariamente 'fora do ar'. Como diz no final da matéria, uma das hipóteses é a de que as "novas luas internas" seriam fragmentos de colisões, mas claro, há essa possibilidade também.

      Abraços!

      Excluir