Cometa ISON: 5 fatos surpreendentes sobre o possível "cometa do século"

Muito se fala sobre o ISON, mas o que de fato dizem os especialistas? O que é mais provável que aconteça com o tão esperado "cometa do século"? 


O cometa ISON passou por Marte recentemente (dia 01/10/13), e já está em direção ao seu encontro mais próximo com o Sol, a cerca de 1.160 quilômetros de sua superfície no dia 28/11/13.

Segundo os cientistas, se o cometa não se desintegrar, poderá ser um dos maiores espetáculos do céu, sendo possível vê-lo até mesmo durante o dia.

Veja 5 fatos sobre o cometa ISON que você deve saber: 


1 - Há uma grande chance de ISON não ser o "cometa do século" 

O cometa ISON está sendo chamado de "cometa do século", e foi candidato à esse título logo após a sua descoberta, em Setembro de 2012. Na época, as previsões sugeriam que ele poderia brilhar tanto quanto a Lua Cheia entre o final de Novembro e o início de Dezembro de 2013. 

Um show espetacular é realmente possível, dizem os especialistas. Mas existem grandes chances de o cometa não sobreviver até lá. 


"O mais provável é que ISON seja um dos cometas mais brilhantes dos últimos anos e, graças à comunidade global de astronomia, esperamos que seja também um dos cometas mais amplamente observados na história!", informou a NASA em uma atualização de status de seu perfil público.



2 - ISON não é tão grande 


Com base na quantidade de poeira calculada, o cometa ISON está se 'desfazendo'. Seu núcleo tem aproximadamente 0,2 a 2 quilômetros de diâmetro. Outras estimativas calculam um núcleo em torno de 5 quilômetros.
 

Com isso, ISON parece ser um cometa de tamanho médio, ou talvez um pouco menor do que a média. Essas bolas de gelo sujo podem ser gigantes ou até mesmo colossais, assim como o cometa Hale Bopp, que iluminou os céus noturnos durante sua passagem pelo Sol em 1997. Seu diâmetro era de singelos 30 quilômetros.


3 - Há muitos olhos em ISON 


Pesquisadores consideram muito importante as observações que estão sendo feitas com relação ao cometa ISON, por ser uma rara oportunidade de aprender sobre a composição dos cometas, que são restos de gelo criados nos primeiros dias do Sistema Solar.  

A maioria dos cometas rasantes aparecem pela primeira vez no radar dos cientistas poucas horas antes de seus encontros com o Sol, mas com ISON foi diferente, pois temos a oportunidade de observar a sua evolução durante um período de tempo muito mais longo do que o comum. 

Para aproveitar esta oportunidade, a CIOC (Comet ISON Observation Campaign) está coordenando uma campanha de observação global, que emprega uma variedade de observações e análises dentro e fora da Terra. Por exemplo, o Telescópio Espacial Hubble da NASA juntou-se aos esforços, assim como o Solar Dynamics Observatory da NASA e as sondas gêmeas Stereo, bem como o Solar and Heliophysics Observatory, que é operado conjuntamente pela NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA), assim como várias outras entidades.


4 - O Cometa ISON não representa uma ameaça para a Terra

Nos terráqueos podemos ficar tranquilos sobre o cometa ISON.

ISON vai passar a 64.000 quilômetros da Terra durante seu caminho pelo Sistema Solar interno, assim como qualquer pedaço que por ventura seja dividido do cometa caso a gravidade do Sol seja forte o suficiente para fragmentá-lo. 


"Durante um rompimento, fragmentos do cometa não voam em direções diferentes, como cacos de uma explosão cinematográfica", explica um vídeo liberado pelos operadores do telescópio espacial Hubble. "Se ele se romper, seus fragmentos continuam a percorrer o caminho do seu corpo principal."


5 - Você poderá vê-lo em breve 


Ninguém sabe exatamente o quão brilhante será o cometa ISON, mas supondo que ele resista a passagem próxima do Sol, poderá tornar-se visível no final de Outubro, porém, não há garantia nenhuma que ele torne-se realmente visível a olho nu.

Se o cometa realmente sobreviver e não se fragmentar, poderá então ser visível a olho nu, em algum momento entre o final de Novembro e o início de Dezembro, no céu ocidental logo após o pôr do Sol. Observadores no hemisfério sul poderão observar o cometa ISON, porém, o hemisfério norte terá uma visão mais privilegiada do cometa, caso ele realmente se torne visível.


Fonte: Space
08/10/13
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

14 comentários:

  1. Muito bom os esclarecimentos!
    Espero wue tudo corra bem para presenciarmos este espetáculo raro !

    ResponderExcluir
  2. Me corrigem de eu estiver errado!
    Mas até onde eu sei essa distancia citada aqui de que o cometa vai passar a 64 mil km de distancia da terra, astronomicamente falando isso é praticamente relar na terra. Essa não é nem a a metade da distancia que a lua tem da terra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade, acho que essa informaçao nao esta certa

      Excluir
    2. Os 1.160 Km de marte também não estão nada dentro do normal. Pelo que sei ele passou as 10 milhões de Km de marte.

      Excluir
    3. Provavelmente são 64 milhões de KM.

      Excluir
  3. mas eu e a minha filha vimos o cometa. Não foi imaginação porque ela não sabia do cometa e viu e até foi ela quem me chamou a atenção para ele. Alguém é capaz de me explicar isto? É que estou muito confusa mas tenho a certeza do que vi e foi inesperado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pode ser que você tenha visto a chuva oriônidea, onde a Terra passou por resto de poeira cósmica de algum cometa.

      Excluir
  4. Neste momento existem 9 corpos cometarios dentro de nosso sistema solar. 4 delas são visiveis com algum tipo de auxilio, como lunetas ou binóculos. O rastro de aviões , visto perto do horário do por do sol, pode ser confundido com cometas, mas rapidamente se desfaz, o que não ocorre com os cometas quando podemos vê-los.

    ResponderExcluir
  5. a distancia média terra-lua é de 380.000km. O cometa passará a 60.000.000km da terra.

    ResponderExcluir
  6. obrigado por esclarecer. acabei de ver algo exrttremamente brilhante no ceu, um ponto muito luminoso com uma aura luminosa grande em volta, nao tenho nenhum instrumento de auxilio mas deu pra perceber que é bem mais luminoso que qualquer estrela. nao parecia estar em movimento e como o céu esta pra chuva pesada, alguma nuvem entrou na frente e agora só vejo o ponto muito luminoso, nao vejo mais sua coroa luminosa.
    Alguma chance de ser o cometa ?

    ResponderExcluir
  7. axo que está mais para um ovni kkkk

    ResponderExcluir
  8. Não, não era o cometa. Pode ser sido um FLARE de IRIDIUM, pesquise na internet para ver o que é, e use o heavens-above.com para conferir. Pode ter sido também Júpiter, que é muito brilhante e está visível nestes dias.

    O brilho do cometa, por maior que seja, é difuso, não é centralizado como de uma estrela, o que torna sua identificação MUITO mais difícil.

    ResponderExcluir
  9. Engraçado, neste artigo o ISON "não é tão grande", estima-se ter 2 km, e o cometa Hale Bopp é tido como COLOSSAL por ter 30 km ...... em maio vocês publicaram que o ISON teria o tamanho da AUSTRÁLIA. Um tanto desproporcionais vossas informações. ¬¬

    "Considerado o cometa do século 21, uma sonda da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana) detectou que o Ison, que é maior do que a Austrália, está arremessando cerca de 50,8 mil quilos de poeira por minuto no espaço."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo PH, como você mesmo disse, essa notícia era de Maio. Naquela época, realmente acreditava-se que o cometa tinha um tamanho colossal. A medida que mais estudos vão sendo feitos, novas descobertas surgem, e isso é ciência. Se você pesquisar, até mesmo em sites como o da NASA ou da ESA (sites esses que utilizamos como fontes para nossas matérias), também vão constar essas informações em notícias anteriores.

      Veja esse exemplo: http://science.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2013/24apr_hubbleison/

      A notícia de hoje pode não ser totalmente uma verdade amanhã. Um site de notícias é diferente de uma enciclopédia. Na verdade, até mesmo uma enciclopédia pode conter informações que posteriormente descobre-se que são diferentes daquelas mencionadas.

      Nessa notícia são mencionadas as novas descobertas referentes ao cometa ISON, inclusive a de que ele não é tão grande quanto se acreditava.

      Um grande abraço, e bons céus!

      Excluir