Descoberto um colossal acelerador cósmico acima da Terra

Ele é parecido com o Grande Colisor de Hádrons do CERN, porém muito, muito maior



Uma pesquisa recém divulgada identificou a existência de um acelerador cósmico gigante acima da terra. O acelerador natural do espaço "sincroton" tem escala de centenas de milhares de quilômetros, superando até mesmo os maiores aceleradores artificiais semelhantes, como o Grande Colisor de Hádrons do CERN, que tem uma circunferência de apenas 27 quilômetros.

Foto mostra as dependências do CERN e parte do colisor de partículas.
Créditos: CERN  /  Clique na imagem para ampliar

Ao analisar os dados da sondas de Van Allen da NASA, o físico Ian Mann, da Universidade de Alberta, junto com seus colegas da NASA e de outros institutos, foram capazes de medir e identificar a "arma de fumaça" de um processo de escala planetária que acelera partículas a velocidades próximas à velocidade da luz, e tudo isso acontece dentro do cinturão de radiação de Van Allen.

Ian Mann diz que este acelerador de partículas coleta energia a partir de flares e erupções solares que chegam até aqui através do vento solar, funcionando como uma central de energia aeólica. Este 'acelerador natural' se encontra na região dominada pelo campo magnético da Terra, a magnetosfera. A descoberta é um grande passo para a compreensão de tempestades espaciais e para proteger sistemas artificiais em Terra e no espaço de possíveis danos das tempestades espaciais e do clima espacial severo.

"O quebra-cabeça dessa nova descoberta é: como as partículas se aceleram até quase a velocidade da luz?" comenta Ian.


O perigo para a nossa tecnologia

Ilustração mostra danos que poderiam ser causados se uma grande
tempestade como a de Carrington acontecesse nos dias atuais.
Clique na imagem para ampliar

Ian diz que esta aceleração de partículas pode danificar satélites e representa um risco para os astronautas durante as tempestades de clima espacial, e é semelhante à relação entre um surfista e uma onda, em que as partículas pegam uma "carona" em uma onda que as envia como em um foguete e as colocam em órbita com a Terra. À medida que essas partículas circulam a Terra, elas podem ser pegas por uma nova "onda", ou até mesmo pela mesma, o que irá aumentar a sua velocidade ainda mais. "O resultado é um ciclo perpétuo em que as partículas são aceleradas por ondas em escalas planetárias, abrangendo centenas de milhares de quilômetros", disse Ian.

Assim como as tempestades climáticas da Terra, as tempestades espaciais podem ser leves, moderadas ou fortes. Ian diz que essas tempestades solares podem ter vários efeitos sobre a infra-estrutura tecnológica na Terra, desde leves interrupções das comunicações por satélites, ou até mesmo danos generalizados de sistemas de telégrafo, como ocorreu durante a tempestade solar Carrington de 1859, que se manifestam na Terra como brilhantes auroras boreais e austrais.

"Há relatos publicados em jornais de testemunhas oculares que viram linhas telegráficas se incendiando como resultado das correntes elétricas que penetraram na infra-estrutura terrestre devido à essas tempestades espaciais", disse Ian, acrescentando que o dano potencial de uma tempestade como essa, no mundo altamente tecnológico em que vivemos atualmente, poderia custar trilhões de dólares em perdas e reparos.

Ian diz que a compreensão do clima espacial ainda está em fase de descobertas, porém com resultados como este, os pesquisadores estão chegando cada vez mais próximos de produzir previsões do clima espacial mais precisas.

"Ainda estamos tentando compreender como uma grande tempestade espacial seria, e qual impacto que ela poderia ter sobre a infra-estrutura tecnológica atual (satélites, sistemas operacionais e de energia)", disse Ian. "Finalmente estamos tentando melhorar alguns dos nossos sistemas de proteção contra o clima espacial severo".

Fonte: Dailygalaxy ; University of Alberta
Imagem: NASA SDO
06/12/13

27 comentários:

  1. Quanto mais descobrimos mais complicado fica...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto mais descobrimos mais complicado fica...

      Excluir
    2. quem sabe, um dia, possa ser usado como um portal ou trampolim/lançador.

      Excluir
    3. Se já não estiver sendo usado por outras civilizações...

      Excluir
    4. Realmente ainda a muito que ser revelado e entendido! Como por exemplo: http://reflexhuman.blogspot.com/2014/10/o-universo-passo-passo-reloaded.html

      Excluir
    5. Estamos sendo monitorados a décadas de milênios. Como em nossa mediocridade humana imaginamos que eles chegam aqui de no mínimo 3 anos luz? Somos como cegos, surdos e mudos tateando no meio de um tiroteio.

      Excluir
    6. Exatamente correto Raphael Alvarenga e nada melhor para retirar essa maliciosa soberba humana.

      Excluir
  2. This is the Best Astronomy Website ever !!!
    Straight to to the point and always up to date!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thank you very much! It's a pleasure to help the people understand more and more about Astronomy each day. Thanks a lot!

      Excluir
    2. Quando Arquimedes disse, "Dois corpos não pode ocupar o mesmo lugar no espaço", faltou acrescentar " Se ambos estiverem vibrando na mesma frequência " caso contrário podem.

      Excluir
    3. Quando Arquimedes disse, "Dois corpos não pode ocupar o mesmo lugar no espaço", faltou acrescentar " Se ambos estiverem vibrando na mesma frequência " caso contrário podem.

      Excluir
  3. Esse acelerador cósmico está p/ nos atingir ??
    E acontecendo... o que pode acontecer de grave ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não. Na verdade ele sempre existiu, porém só foi descoberto agora. O risco seria para os satélites, e para a tecnologia em geral, mas como disse, ele sempre existiu, mas só agora foi descoberto... não precisa se preocupar sobre isso. Descobertas como essa fazem com que a cada dia, a nossa tecnologia tenha uma nova "armadura" contra possíveis danos. Um grande abraço!

      Excluir
    2. e eu pensando q eu agora podia ir pra Narnia :(

      Excluir
    3. espera mais um milênio, quem sabe... kkkkkk

      Excluir
  4. esse acelerador, se ele já existia... pode ter danificado algum satélite, ou colocou alguma vez em risco a vida dos astronautas? alguns acidentes espaciais poderiam ter relação com esse acelerador cósmico?
    abraços amigos... sou leigo no assunto, não reparem se as perguntas forem sem sentido rsrs abraços Dãn Fernandes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Muito boa a sua pergunta! Sim, esse acelerador cósmico recém-descoberto pode sim ter causado danos em satélites, mas como se trata de uma nova descoberta, mais estudos deverão ser feitos para verificar qual o risco real que ele representa para nossa tecnologia ou para os astronautas a bordo da ISS, por exemplo. Até o momento, não se sabe se ele já causou algum dano real, mas sim, isso poderia ter acontecido. Um grande abraço!

      Excluir
  5. Uma pergunta :
    _ Esse colossal Colisor de Hádrons seria o Kame-ha do Goku ??

    ResponderExcluir
  6. Visto que é uma nova descoberta, teria a probabilidade de outros planetas terem em suas devidas magnetosferas um acelerador cósmico??

    ResponderExcluir
  7. Será que isso pode funcionar como um portal ? kkk ó eu já viajando na maionese aqui kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maionese,com vc? Até com mostarda e limão se vc gostar, ai vamo viajar juntos?
      https://www.youtube.com/watch?v=tejeBOITYZQ
      Arranjei tempo para ir no seu perfil, vem no meu? (vc merece uma serenata, peça ao seu Pai, pra receber legalmente, melhor: peça ele para lhe emancipar!

      Excluir
  8. sera que pode acontecer isso??
    http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/2014/09/boson-de-higgs-poderia-destruir-o-universo-diz-stephen-hawking.shtml

    ResponderExcluir
  9. porque vocês não divulga nada na TV para falar para nós cidadões O que acontece no mundo de verdade

    ResponderExcluir
  10. porque vocês não divulga nada na TV para falar para nós cidadões O que acontece no mundo de verdade

    ResponderExcluir