Organismos tipo terrestres podem existir no subsolo de Marte

Sinais de metano podem indicar formas de vida subterrâneas no Planeta Vermelho 


Novas pesquisas sugerem que methanogens (micróbios produtores de metano), que são anaeróbios, que não necessitam de oxigênio, poderiam sobreviver em Marte. Eles não necessitam de nutrientes orgânicos e não são fotossintéticos, indicando que poderiam existir em ambientes subterrâneos e, portanto, são candidatos ideais para a vida em Marte.


Desde 1990, Timothy Kral , professor de ciências biológicas na Universidade de Arkansas - Centro de Ciências Espaciais e Planetárias, vem estudando methanogens e examinando sua capacidade de sobreviver em Marte. Em 2004, os cientistas descobriram metano na atmosfera marciana, e imediatamente essa questão surgiu novamente. "Quando eles fizeram essa descoberta, nós ficamos muito animados, afinal de contas, 'Qual é a fonte desse metano?' ", Disse Kral. " Uma possibilidade seria os methanogens ".

Créditos: Univ. Arkansas 

"A temperatura na superfície de Marte varia muito, geralmente entre 90 graus negativos a 27 graus Celsius positivos, e isso ocorre durante um único dia", disse Rebecca Mickol, um estudante de doutorado em ciências espaciais e planetárias em Arkansas. "Se a vida existir em Marte, teria que no mínimo, sobreviver nessa faixa de temperatura. A sobrevivência destas duas espécies de methanogen expostos a ciclos de congelamento / descongelamento de longo prazo sugere que os methanogens poderiam habitar o subsolo de Marte. "

Methanogens, microorganismos no domínio Archaea, utilizam o hidrogênio como fonte de energia e o dióxido de carbono como fonte de carbono para metabolizar e produzir metano, também conhecido como o gás natural. Methanogens vivem em pântanos e brejos, mas também podem ser encontrados no intestino de gado, cupins e outros herbívoros, bem como em matéria morta e em decomposição.

Mickol submeteu duas espécies de methanogens a condições marcianas, e ambas espécies sobreviveram aos ciclos de congelamento e descongelamento marcianos.

Mickol conduziu o estudo com Kral, cientista líder do projeto. Ela está apresentando seu trabalho na Assembléia Geral da Sociedade Americana de Microbiologia de 2014, realizado entre 17 e 20 de maio, em Boston, EUA. O Programa de Exobiologia da NASA financiou a sua pesquisa.

"A baixa temperatura em Marte inibiu o seu crescimento, mas sobreviveram ", disse Mickol . "Uma vez que elas retornaram para uma temperatura quente, elas foram capazes de crescer e metabolizar novamente, o que prova que elas poderiam sobreviver e se adaptar em Marte".

Fonte: Dailygalaxy / Universidade de Arkansas
21/05/14

Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

9 comentários:

  1. acho engraçado está conversa fiada de microbrio ser vida, vida é um animal formado no minimo. essa historinha é pra continuar recebendo bilhoes dos governos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .... ela se reproduz ,responde a estímulos do meio e assim como outros seres vivos é formada pela menor unidade dos seres vivos a célula entaw portanto é vida...

      Excluir
  2. Dependendo do microorganismo, ele pode até matar. Como, então não podem ser considerados seres vivos? Grande exemplo são os micros HIV e EBOLA, que continuam dizimando os que se consideram o topo da evolução.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, acho engraçado sim ser considerado vida se um feto na barriga de uma mãe não é considerado nada nos dias de hoje.

    ResponderExcluir
  4. Pois é, acho engraçado sim ser considerado vida se um feto na barriga de uma mãe não é considerado nada nos dias de hoje.

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. No corredor de espera do epidídimo, o espermatozóide humano costuma ficar de 18 horas a 21 dias, aproveitando a estada para completar seu desenvolvimento. Ele precisa afinar o pescoço que, então, ainda contém uma gota de citoplasma, o recheio líquido das células. Mas, mesmo quando já exibe a silhueta esguia característica, sua temporada no epidídimo pode terminar prorrogada diversos meses, enquanto aguarda a demanda. E sempre corre o risco de terminar a longa espera ensacado em uma camisinha, um dos mais antigos e mais populares métodos anticoncepcionais. "Se nem isso acontece, por causa de abstinência sexual, uma parte dos gametes morre e se liqüefaz", conta Gacek. "A outra parte é expulsa pela urina."

      Excluir
  6. http://super.abril.com.br/ciencia/a-vida-de-um-atleta-sexual

    ResponderExcluir