A maior cratera de impacto da Terra foi descoberta: Iucatã ficou pequena...

impacto asteroide dinossauro
Seria ela a verdadeira responsável pela extinção dos dinossauros?



Uma equipe de geofísicos descobriu as cicatrizes gêmeas do maior impacto de um asteroide contra a Terra que se tem conhecimento, escondido no fundo da crosta terrestre. A zona de impacto de 400 quilômetros, causada por um enorme meteorito que se partiu em dois momentos antes de se chocar com a Terra foi encontrada na Austrália Central! A cratera de impacto de milhões de anos estava desaparecida, ou melhor, nunca havia sido detectada.

O pesquisador chefe, Andrew Glikson da Universidade Australiana Nacional (ANU) disse que a zona de impacto foi descoberta durante a perfuração de uma investigação geotérmica, em uma área perto das fronteiras da Austrália do Sul, Queensland e Território do Norte.




"Cada um desses dois asteroides tinha mais de 10 quilômetros de diâmetro, tamanho suficiente para aniquilar com muitas espécies de vida do planeta naquele momento", disse o Dr. Glikson, da Escola de Arqueologia e Antropologia da ANU. A revelação desses antigos e violentos impactos podem levar a novas teorias sobre a história da Terra.

evento extinção KT
Ilustração artística do Evento K-T
Clique na imagem para ampliar

"Grandes impactos como esses podem ter tido um papel muito mais significativo na evolução da Terra do que se pensava anteriormente", disse Dr Glikson. A data exata dos impactos ainda não está clara. As rochas no entorno da cratera têm entre 300 e 600 milhões de anos, mas algumas evidências de outros meteoritos ainda estão faltando.




Por exemplo, um grande meteorito de 66 milhões de anos foi responsável por levantar uma camada de sedimentos e espalhá-la ao redor do mundo. Acredita-se que essa poeira tenha causado a extinção de uma grande parte da vida no planeta, incluindo diversas espécies de dinossauros. No entanto, uma camada semelhante não foi encontrada em sedimentos de 300 milhões de anos. "É um mistério", disse o Dr. Glikson. "Eu tenho a suspeita de que o impacto tenha ocorrido há mais de 300 milhões de anos".

Dr. Andrew Glikson cratera austrália
Dr. Andrew Glikson durante análises. As imagens à direita mostram os vidros resultantes da pressão e do calor do impacto.
Créditos: Andrew Glikson / ANU

A descoberta dessa enorme cratera de impacto aconteceu durante uma escavação de uma pesquisa geotérmica, onde foi feito um buraco de 2 quilômetros da crosta da Terra. O núcleo da broca continha vestígios de rochas e vidros, que se formaram através de temperaturas extremas e pressão causadas por um grande impacto. Modelos magnéticos da crosta profunda dessa região mostra bojos escondidos nas profundezas, ricos em ferro e magnésio, o que corresponde à composição do manto da Terra.




"Há duas grandes cúpulas profundas na crosta, formadas após os grandes impactos, e isso empurrou a rocha do manto para baixo", disse o Dr. Glikson. As duas zonas de impacto na Bacia de Warburton, na Austrália, têm mais de 400 quilômetros de diâmetro. Elas se estendem através da crosta da Terra, que tem cerca de 30 quilômetros de espessura nessa área.




Fonte: DailyMail / DailyGalaxy
Imagens: (capa-ilustração/Richard Cardial / Galeria do Meteorito) / Andrew Glikson / ANU
24/03/15

Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

16 comentários:

  1. éhh e vai acontecer de novo, mais quando?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. 'Estatisticamente' vai acontecer de novo, mas pode não acontecer, a terra só tem mais 5 bilhões de anos até que o sol exploda em uma supernova, quando isso acontecer não haverá terra para receber colisões de asteroides. Mas outro problema é a galaxia Andromeda, que está acelerando na direção da nossa galaxia Via Láctea, a estimativa da colisão é de 4 bilhões de anos, quando isso acontecer existe uma chance alta de o sistema solar ser desintegrado com uma turbulência gravitacional que iria atirar os planetas para fora de suas orbitas como um estilingue...

      Excluir
    3. Só uma correção, o sol não vai explodir em uma super nova, e sim vai se transformar em uma gigante vermelha.

      Excluir
    4. E Andromeda nao vai colidir com nossa galaxia em 4 bilhoes e sim em cerca de 3 bilhoes de anos

      Excluir
    5. Não é 4 bi, e sim 3 bi !!!!!Nossa, vou ter que acelerar minha agenda e refazer meus compromissos.

      Excluir
  2. já aconteceu. .. só sobrou uma realidade holográfica pra continuar a história. .. osaliensabem! :o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eheheheheheheheh - grande sábio guru profeta da realidade virtual! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    2. 19 de julho de 2019, as 15:35....

      Excluir
  3. há uma omissão nesta matéria - se um asteroide (meteoro) como sustenta a tese da aniquilação dos dinossauros há 65 milhões continha altos níveis de IRÍDIO (mineral que não existe naturalmente na Terra) porque, então, nesta escavação na Austrália não se encontrou nenhum vestígio deste mineral e sim rocha vitrificada... olha... tenho a tese (defendo) que esta frande cratera de 400 km foi fruto de uma explosão nuclear no melhor estilo da destruição das cidades bíblicas Sodoma/Gomorra como muitos pesquisadores alegam ter encontrado estas cidades (hipotéticas) com vestígios de rochas vitrificadas devido a uma explosão nuclear e e não de um meteoro... ESTA É MINHA OPINIÃO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas não é porque alguns meteoros possuam mais irídio que todos o meteoros tenham essa característica. Quanto a uma bomba nuclar, já parou pra pensar a potência dessa bomba. Eu moro na capital gaúcha e ela deve ter uns 30 km... Essa bomba destruiria um país inteiro! Fora que seria milhões de vezes mais poderosa que as bombas nucleares humanas.

      Excluir
    2. Pedro Nicola, as profundidades dessa cratera chega a 25km pelo o que li, você realmente acha que uma bomba chegaria a tal magnitude e nenhum indício histórico sobre esses experimentsos bélicos? Fora que há notáveis diferenças em elementos químicos provenientes de bomba e meteoros. E como disse o amigo aí em cima, a ausência de iridio não é motivo. E uma ultima coisa, os métodos geofísicos quase que gritaram que existe uma anomalia, resquícios de bomba não provocaria tal anomalia...

      Excluir
    3. Um impacto dessas proporções, não deixa de ser uma explosão nuclear, Inclusive pela temperatura alcançada.

      Excluir
  4. DESCULPEM O ERRO DE GRAFIA... onde está escrito na 5ª linha "frande" NA VERDADE LEIA-SE "GRANDE" foi um ledo erro meu... me desculpem!!!

    ResponderExcluir
  5. O surgimento do planeta ,bem como a origem da vida ,sao grandes misterios , ate hj so foram divulgados teorias de como foi , mas ninguem tem as respostas concretas , isso foi e sempre sera um misterio !

    ResponderExcluir