Revelada imagem de provável planeta gigante, a 1.200 anos-luz da Terra

observado possível exoplaneta a 1200 anos-luz de distância
O provável exoplaneta encontra-se na direção da constelação de Orion, e deixou os astrônomos perplexos



Uma foto extraordinária mostra um provável planeta extrassolar orbitando uma estrela que encontra-se a 1.200 anos-luz da Terra.

O provável planeta se mostra como um ponto de cor amarronzada, à esquerda da estrela azul chamada CVSO 30. A imagem foi registrada pelo Observatório Europeu do Sul (ESO), utilizando o Very Large Telescope (VLT), no Chile. O estudo foi publicado na renomada revista Astronomy and Astrophysics, e teve auxílio em observações do Observatório Keck, no Havaí, e do Observatório Calar Alto, na Espanha.

CVSO 30 e CVSO 30c
No centro a estrela CVSO 30 em azul, e à esquerda, de cor amarronzada, o possível exoplaneta CVSO 30c.
Créditos: ESO / Schmidt         Clique na imagem para ampliar

Para se ter uma ideia do quão fantástica é essa fotografia, vale lembrar que a estrela CVSO 30 localiza-se 280 vezes mais distante do que Alpha Centauri, o sistema estelar mais próximo do nosso. Lembre-se também que 1 ano-luz é igual a 9.5 trilhões de quilômetros, ou seja, o exoplaneta provisoriamente chamado CVSO 30c encontra-se a 11 quatrilhões de quilômetros da Terra, na direção da constelação de Orion.

A confirmação ainda não foi concluída, portanto CVSO 30c permanece como candidato a exoplaneta. Novas observações devem ser feitas a fim de revelar se, de fato, este objeto é mesmo um exoplaneta. Se confirmado, o planeta orbita sua estrela a uma distância gigantesca de 660 UA (1 Unidade Astronômica equivale a distância média entre a Terra e o Sol). Ele completaria uma volta ao redor de sua estrela a cada 27.000 anos, segundo pesquisadores.




E tem mais! Os astrônomos detectaram um outro planeta potencial nesse mesmo sistema, chamado CVSO 30b. A observação foi feita em 2012, e sua detecção ocorreu através do método de "trânsito planetário", ou seja, quando o planeta passa na frente de sua estrela e ofusca parte de seu brilho.

De acordo com os pesquisadores, os exoplanetas seriam gigantes de gás, como Júpiter ou Saturno, porém, eles ocupam posições muito diferentes. CVSO 30b completaria uma órbita a cada 11 horas, e estaria a 0,008 UA de sua estrela, o que é bastante diferente de seu irmão distante.

VLT - ESO
Very Large Telescope (VLT), do Observatório Europeu do Sul (ESO).
Créditos: ESO / G. Hudepohl

"Se confirmada a existência do exoplaneta CVSO 30c, será o primeiro sistema estelar a hospedar um exoplaneta muito próximo, detectado pelo método de "trânsito planetário" e ao mesmo tempo, hospedar um exoplaneta distante, detectado através de observações diretas", informou o ESO em um comunicado oficial.

A estrela hospedeira tem apenas 2.5 milhões de anos. Se considerarmos o tempo de vida da maioria das estrelas no Universo, podemos dizer que CVSO 30 é uma recém nascida, e isso é o que deixou os astrônomos intrigados, afinal, como planetas gigantes poderiam surgir em um sistema tão jovem? Segundo os pesquisadores, é possível que os dois planetas tiveram interações gravitacionais no passado, o que poderia ter lançado ambos nas regiões em que se encontram no momento.




A detecção de planetas extrassolares através de observações diretas é algo raríssimo, por conta da grande distância. Atualmente existem mais de 3 mil exoplanetas confirmados, e sua esmagadora maioria foi descoberta através de detecções de trânsito planetário, utilizando principalmente o Telescópio Espacial Kepler, da NASA, conhecido como Caçador de Planetas Alienígenas.

O método de observação direta promete ser algo produtivo no futuro, conforme a tecnologia se desenvolve e telescópios cada vez mais potentes são lançados. De acordo com alguns astrônomos, os novos telescópios poderão até, quem sabe, nos oferecer as primeiras evidências convincentes de vida extraterrestre.



Imagens: (capa-ESO/divulgação) / ESO / Schmidt / G. Hudepohl
16/06/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

16 comentários:

  1. Uma coisa que me chamou a atenção é a ausência total de vestígios do disco de gás e poeira, que normalmente acompanham estrelas muito jovens. Bom... em todo caso, vamos esperar pela confirmação dos astrônomos. Mas uma coisa é certa, a observação direta de planetas fora do sistema solar, está cada vez mais próximo de se tornar realidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente isso que vc falou é uma coisa muito relevante a se considerar. Como pode uma estrela tão jovem não possuir sequer qualquer vestígio do disco de poeira de modo considerável que é tão comum no início da formação das estrelas e ao mesmo tempo ter esses planetas no sistema da estrela, sendo um deles aparentemente gigante. Talvez essa estrela não seja jovem como os cientistas imaginam.

      Excluir
  2. CVSO 30b completaria uma órbita a cada 11 horas, ta certo isso? 11 horas?

    ResponderExcluir
  3. xafun de foria amei essa reportagem continue publicano amigo e poste videos novos sobre asteroides cometas obrigado ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°) ( ͡° ͜ʖ ͡°)

    ResponderExcluir
  4. Se confirmado, o planeta orbita sua estrela a uma distância gigantesca de 660 UA (1 Unidade Astronômica equivale a distância média entre a Terra e o Sol). Ele completaria uma volta ao redor de sua estrela a cada 27.000 anos, segundo pesquisadores.Nossa!!!isso é muito parecido com a teoria de nemessis.sera mesmo que o nosso sol não tem mesmo uma irmã?no caso uma anã marrom????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, não seria um sistema binário de estrelas?

      Excluir
    2. Pois é, não seria um sistema binário de estrelas?

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. o sol pode transa com a nemesis e faria um solemesis

    ResponderExcluir
  7. e se um desses vier ao encontro com o nosso querido e amado planeta quanto tempo demoraria por esse catastrofico encontro?

    ResponderExcluir
  8. Talvez a incidência de planetas errantes na galáxia seja muito maior do que se pensa e este planeta nem seja nativo deste sistema planetário.

    ResponderExcluir
  9. Como conseguimos pesquisar tão longe, e não sabemos ser temos um planeta amais no nosso sistema solar?

    ResponderExcluir
  10. 1.200 anos luz? acho q precisa verificar esse valor... Alpha Centaury está a 4 anos luz sendo a estrela mais próxima... Órion está a 8 anos luz... acho que deveria se 1.200 ua. Para un planeta estrar atrapado pelo sol a essa distancia deveria ter uma massa como um buraco negro super massivo...

    ResponderExcluir