Buraco coronal gigantesco está de frente com a Terra

buraco coronal está de frente com a Terra
O que deve acontecer nos próximos dias? Quais são os efeitos causados pelos buracos coronais?



Um grande buraco coronal que lança ventos solares em alta-velocidade, está ficando cara a cara com a Terra, ou seja, nos próximos dias podemos esperar que o nosso planeta seja atingido por partículas carregadas desse vento solar, o que deve desencadear auroras polares e uma tempestade geomagnética considerável. O buraco coronal é tão grande que cobre quase a metade da superfície solar volta para a Terra.

Buraco coronal - 26 de setembro de 2016
Buraco coronal registrado no dia 26 de setembro de 2016. À esquerda, visão através do ultravioleta extremo
(EIT 195) e à direita, demarcação do buraco coronal para fácil identificação.
Créditos: NASA / SOHO / NOAA

Segundo especialistas da NOAA, há uma chance de 50% de ocorrerem tempestades geomagnéticas de classe G-2 nos dias 28, 29 e 30 de setembro, quando o vento solar de alta-velocidade deve chegar na Terra.




A escala de tempestade geomagnética vai de G-1 (menor) até o G-5 (extrema). Portanto, uma tempestade geomagnética de classe G-2, que é justamente a esperada para os próximos dias, deve desencadear efeitos moderados, como flutuações na malha energética, interrupções de sinais de satélite, danos em transformadores, além de afetar a migração de animais.




Ainda segundo a NOAA, há uma pequena chance de ocorrerem tempestades geomagnéticas de classe G-3 (forte) em curtos períodos.


Mas o que são buracos coronais?

São anomalias magnéticas que acontecem de tempos em tempos no topo da atmosfera do Sol, ou seja, na corona solar, daí o nome buraco coronal. Elas ocorrem por conta de um enfraquecimento do campo magnético da região, fazendo com que o vento solar escape numa velocidade muito mais alta do que o normal.




Os buracos coronais podem ser vistos através de raio-x e ultravioleta extremo, têm cores muito escuras devido a diminuição da temperatura do plasma da região, e se destacam facilmente contra a superfície clara do Sol.

Apesar dos buracos coronais serem considerados "anomalias", sua ocorrência é relativamente comum, e faz parte do ciclo de atividades do Sol.




Imagens: (capa: / SOHO / NASA / NOAA) / NASA / SOHO / NOAA / EIT
27/09/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 comentários:

  1. Essa tempestade solar seria igual a que estávamos esperando em 26 de Julho de 2012 se eu não estiver errado, e que se tivesse sido uma semana antes a terra seria mais atingida... do que foi... e que acabou não acontecendo nada... existe essa possibilidade.sbd

    ResponderExcluir
  2. Ótima matéria, mas lá não dizia quais seriam os efeitos causados pelos buracos coronais, podem arrumar isso? Até a próxima!

    ResponderExcluir