Pela primeira vez planetas são descobertos em outra galáxia

pela primeira vez planetas foram descobertos em outra galáxia
Nunca antes na história da Astronomia um planeta havia sido descoberto fora da Via Láctea!


Não é de hoje que os cientistas detectam planetas orbitando outras estrelas - os chamados exoplanetas. As primeiras descobertas chamaram a atenção do mundo, e foram feitas através de observatórios terrestres. Desde então as agências espaciais vem investindo pesado no estudo de exoplanetas, e seu número conhecido tem aumentado consideravelmente.



Até fevereiro de 2018, por exemplo, já são mais de 3.700 exoplanetas confirmados em mais de 2.700 sistemas. Mas agora a coisa ficou ainda mais emocionante.

Usando uma técnica prevista por Einstein em sua Teoria da Relatividade Geral, uma equipe liderada por Xinyu Dai e Eduardo Guerras, doutor em pesquisas e professor do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Oklahoma, respectivamente, descobriu pela primeira vez na história um planeta que está fora da nossa Galáxia - mais exatamente na galáxia chamada RX J1131-1231.

Galáxia RX J1131-1231 em uma imagem combinada pelos Observatórios Chandra e Hubble
Galáxia RX J1131-1231 em uma imagem combinada pelos Observatórios Chandra e Hubble.
Créditos: NASA / Univ. of Michigan / CXC

O estudo, publicado na revista The Astrophysical Journal Letters, detalha a descoberta que foi feita através do uso de "lentes gravitacionais" - uma técnica que utiliza o poder gravitacional de objetos distantes para observar uma fonte de luz que de outra forma seria invisível daqui da Terra.




Para detectar um planeta extrassolar em nossa Galáxia, por exemplo, uma das técnicas mais utilizadas é o "trânsito planetário", que nada mais é do que a identificação da variação do brilho de uma estrela que ocorre devido a passagem de um planeta na sua frente (de acordo com o nosso ponto de vista). Para detectar o primeiro planeta fora da Via Láctea, a técnica utilizada foi a mesma, aliada a lente gravitacional.


A descoberta do primeiro planeta fora da nossa Galáxia

Além da técnica de lente gravitacional, a equipe de pesquisadores usou o Observatório de raios-x Chandra para analisar o quasar RX J1131-1231. No centro desse quasar, existe um buraco negro. Como sabemos, buracos negros possuem um poder gravitacional extremo, suficiente para dobrar a luz que passa por ele. Com isso, os cientistas conseguiram usar o poder gravitacional desse buraco negro para ampliar uma região específica de RX J1131-1231.

Imagem da galáxia RX J1131-1231 e seu efeito de lente gravitacional
Imagem da galáxia RX J1131-1231 e seu efeito de lente gravitacional.
A galáxia encontra-se no ponto central, enquanto os outros quatro pontos são quasares ampliados.
Créditos: Univ. of Oklahoma

Os astrônomos calcularam então que as mudanças das linhas de energia observadas só poderiam ser explicadas pela presença de aproximadamente 2.000 planetas espalhados pelas estrelas ao redor do quasar. Cada um desses planetas teria massa estimada que varia entre a nossa Lua e o planeta Júpiter.

"Esse é um exemplo do quão poderosas podem ser as análises extragaláticas feitas com lentes gravitacionais", disse Eduardo Guerras. "Essa galáxia está localizada a 3.8 bilhões de anos-luz de distância, e não haveria a mínima chance de observarmos esses planetas diretamente, nem mesmo com o melhor telescópio já imaginado numa ficção científica. No entanto, pudemos não apenas detectá-los como também estudá-los e estimar suas massas. Isso é uma ciência muito bacana".




Através da técnica de lentes gravitacionais, os astrônomos descobriram pouco mais de 50 exoplanetas na Via Láctea. Agora, de uma só vez, foram descobertos centenas de exoplanetas em uma galáxia distante.

Apesar das teorias afirmarem que as estrelas de outras galáxias também abrigavam planetas ao seu redor, pela primeira vez os cientistas confirmaram isso sem qualquer sombra de dúvidas. Agora temos certeza de que outras galáxias funcionam exatamente como a nossa. Futuramente, novas técnicas melhoradas podem aumentar consideravelmente a descoberta de planetas extragaláticos, e assim, teremos uma noção de como ocorre a distribuição de planetas no Universo.




Estima-se que existem cerca de 200 bilhões de estrelas APENAS na nossa Galáxia, a Via Láctea. Mas calcula-se que existem cerca de 1 ou 2 trilhões de galáxias em todo o Universo... Nem precisamos fazer as contas pra ver que a quantidade de planetas no Universo é inimaginável! E agora temos a prova real de que eles realmente estão lá...


Imagens: (capa-ilustração/NASA/Tim Pyle) / NASA / Univ. of Michigan / CXC / Univ. of Oklahoma / divulgação
05/02/18


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 comentários:

  1. Que matéria excelente. Eu sempre acreditei que além da nossa galáxia , as outras também possuiriam planetas e agora com essa confirmação vem uma pergunta em minha cabeça: Vcs acham realmente que entre milhões de planetas da Via láctea e agora entre trilhões de mundos espalhados nas diferentes galáxias, acham mesmo que a vida só existe neste minúsculo planeta chamado Terra?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida deve ser muito comum em todo o universo.

      Excluir
  2. Bom estar vivo e acompanhando as evoluções! Agradeço aos cientistas e estudiosos que trouxeram tanto conhecimento até os dias de hoje. Obrigado pela matéria!

    ResponderExcluir
  3. Tenho uma dúvida. Como saber que a oscilação que é vista se trata mesmo de um "planeta" e não de outro corpo celeste qualquer?

    ResponderExcluir
  4. com essa nova técnica, poderemos aprender mais sobre os sistemas planetários extragaláticos.

    Ótima matéria, meus parabêns

    ResponderExcluir