'Godzilla das Terras': cientistas encontram exoplaneta 17 vezes mais pesado do que a Terra

E o mais surpreendente é que se trata de um planeta rochoso!


Os cientistas acabam de descobrir o " Godzilla das Terras". Trata-se de um novo tipo de planeta extrasolar grande e rochoso, a cerca de 560 anos-luz da Terra.

Apelidado de "Mega-Terra", o exoplaneta Kepler-10c pesa 17 vezes mais do que a Terra, e ele orbita uma estrela como o Sol na constelação de Draco. O Mega-Terra é rochoso e maior do que os "Super-Terras ", que são uma classe de planetas que são um pouco maior do que a Terra.




Os teóricos não tinham certeza que planetas rochosos com essas dimensões poderiam existir. Os cientistas pensavam que os planetas com o tamanho de Kepler -10c deveriam ser gasosos, adquirindo hidrogênio e tornando-se mundos semelhantes a Júpiter. No entanto, os pesquisadores agora descobriram que esse planeta recém-descoberto é rochoso.

Apesar de ser chamado de "Godzilla das Terras", Kepler-10c possui suas vantagens para a vida. A descoberta de Kepler-10c foi apresentada na 224ª reunião da American Astronomical Society.

Mega-Terra , Kepler-10c
Ilustração artística do "Godzilla das Terras". Kepler-10c, conhecido como "Mega-Terra" é 17 vezes mais pesado
e 2,3 vezes maior do que o nosso planeta. O mundo de Lava Kepler-10b também é exibido na imagem.
Esse sistema está localizado a cerca de 560 anos-luz da Terra. Créditos: David A. Aguilar (CfA)


O Mega-Terra orbita sua estrela-mãe a cada 45 dias. Kepler-10c talvez esteja muito próximo de sua estrela mãe para abrigar vida como a conhecemos. Ele também não é o único planeta que orbita a estrela amarela Kepler-10. Um "mundo de lava" chamado Kepler-10b, que possui três vezes mais massa do que a Terra também orbita essa mesma estrela a cada 20 horas.

O Telescópio espacial Kepler, da NASA, avistou primeiramente o Kepler- 10c, no entanto, sua ferramenta de busca por exoplanetas não é capaz de perceber se um exoplaneta (planeta fora do Sistema Solar) é rochoso ou gasoso, e por isso, inicialmente acreditava-se que esse novo planeta seria gasoso como um Mini-Netuno.

O astrônomo Xavier Dumusque e sua equipe usaram o instrumento HARPS, Instrumento Norte do Telescopio Nazionale Galileo nas Ilhas Canárias para medir a massa de Kepler -10c. Então, eles descobriram que o planeta é, de fato rochoso e não um Mini-Netuno.

Os cientistas acreditam que o sistema Kepler- 10c seja muito velho, e que tenha se formado a pouco menos de 3 bilhões de anos após o Big Bang. A formação prematura do sistema sugere que, embora os materiais eram escassos, haviam elementos suficientemente pesados ​​como o silício e o ferro para formar mundos rochosos relativamente cedo na história do Universo.

"O descobrimento de Kepler- 10c nos diz que planetas rochosos poderiam se formar muito mais cedo do que acreditávamos", disse Sasselov em um comunicado. " E se há planetas rochosos, há chance de vida".

A nova descoberta reforça a idéia de que estrelas mais velhas podem hospedar planetas rochosos, dando aos astrônomos uma ampla gama de estrelas que podem ser estudadas. Em vez de descartar velhas estrelas na busca por planetas semelhantes à Terra, talvez seja bom dar uma segunda olhada, afinal, essas estrelas podem abrigar planetas como o nosso.

Fonte: Space
Imagem: David A Aguilar
02/06/14

Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 comentários:

  1. Quanto mais conhecimento a humanidade coletar, melhor será para a hora que for preciso usar a mesma ;)

    ResponderExcluir
  2. so que esse planeta não é possivel ser habitado pelo tamanho a gravidade é super,tem que ter um menos pra ser adaptável ,pesquisando perto desse pode haver.

    ResponderExcluir
  3. gosto de astronomia .não entendo muito do assunto mas porque não é mostrado foto verdadeiras desses planetas só ilustrações já que o kepler o capturou como disse não entendo muito do assunto´´

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As ilustrações artísticas são feitas com base nos dados registrados pelos telescópios. Se os cientistas identificam que o planeta tem uma massa igual a de Júpiter, porém é muito menor do que ele, eles sabem então que trata-se de um planeta rochoso. A massa do planeta também pode revelar sua composição, se tem líquidos ou não, e após coletarem todas essas informações, cria-se uma ilustração artística de como poderia ser o planeta, assim, fica mais claro para todos entenderem e apreciarem a descoberta. Um grande abraço, espero ter ajudado Virlei! Até mais!

      Excluir