O mistério da Grande Mancha Vermelha de Júpiter pode ser revelado em um laboratório

mistérios da grande mancha vermelha de jupiter
Qual será o segredo da Grande Mancha Vermelha de Júpiter?



Os cientistas da NASA estão tentando descobrir os mistérios da Grande Mancha Vermelha de Júpiter, e sobretudo, entender o que faz com que sua coloração seja avermelhada. "Mas como eles vão fazer isso", você deve estar se perguntando. E a resposta é simples: em um laboratório!

Apesar de mais de 150 anos de estudos, a Grande Mancha Vermelha de Júpiter ainda é um grande mistério. O que sabemos é que trata-se de uma tempestade gigantesca, que percorre o maior planeta do Sistema Solar, com ventos que chegam a atingir cerca de 644 km/h. Contudo, o que poderia estar causando essa grande tempestade ainda é um grande mistério.

Em uma tentativa de entender melhor a Grande Mancha Vermelha de Júpiter, os pesquisadores Mark Loeffler e Reggie Hudson, da NASA, estão fazendo alguns experimentos com componentes da atmosfera de Júpiter junto com radiação, imitando os raios cósmicos a fim de determinar se eles poderiam produzir a cor avermelhada da Grande Mancha Vermelha.


Observar a atmosfera e determinar a cor da tempestade não é uma tarefa fácil. As camadas de nuvens do gigante gasoso fazem com que a observação de sua baixa atmosfera seja um verdadeiro desafio, e até mesmo sua alta atmosfera não é fácil de ser decifrada. Estudos prevêem que a atmosfera superior de Júpiter é composta por nuvens de amônia, hidrossulfeto de amônio e água, mas os cientistas não sabem se esses componentes químicos poderiam fornecer a cor avermelhada a tempestade, tampouco como eles poderiam se combinar, afinal, eles simbolizam uma pequena fração da atmosfera.

A Grande Mancha Vermelha de Júpiter
A Grande Mancha Vermelha de Júpiter é tão grande que o planeta Terra caberia dentro dela.
Créditos: NASA / JPL / SSI         /         Clique na imagem para ampliar

Enquanto o hidrossulfureto de amônio poderia ser uma das causas, a coloração também pode vir de vários fatores na atmosfera de Júpiter. "Devemos entender os componentes da atmosfera de Júpiter, e misturá-los na temperatura certa, e depois simular irradiá-los nos níveis certos", disse Amy Simon, especialista de atmosfera planetária da NASA. "Ou seja, replicar as condições da superfície de Júpiter é a chave para encontrar as respostas".


A tempestade maciça de Júpiter tem sido estudada há pelo menos 150 anos, ou talvez até mais. Astrônomos de 1600 identificaram recursos semelhantes em Júpiter, mas não se sabe se esses recursos eram de fato a Grande Mancha Vermelha. De qualquer maneira, essa grande tempestade já dura muito mais tempo do que qualquer outra que conhecemos aqui na Terra...

Ao contrário do nosso planeta, Júpiter é um gigante de gás, com um oceano líquido de hidrogênio em torno de seu núcleo; um ambiente dominado por hidrogênio e hélio. Não existe base sólida para a tempestade ser freada, o que permite que a Grande Mancha Vermelha dure mais de um século.


Estudar essa tempestade de longa duração pode ajudar os cientistas a entender melhor o sistema climático do nosso próprio planeta, disse Amy Simon. Afinal, o clima e o tempo em ambos os planetas funcionam sob as mesmas leis da física. Ela também disse que estudar Júpiter pode melhorar a compreensão dos planetas fora do Sistema Solar.

"Quando olhamos para a luz refletida de um planeta fora do nosso Sistema Solar, podemos não compreendê-lo exatamente", disse Amy. "Mas analisar diferentes climas e superfícies do nosso Sistema Solar poderia permitir-nos, em seguida, aplicar esse conhecimento para os planetas extrassolares."



Fonte: NASA
Imagens: (capa-divulgação/NASA) NASA / JPL / SSI
19/08/15

Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

12 comentários:

  1. Parabéns pelo site, descobri ele pelo google em algumas semanas e já me tornei fã, visito todos os dias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Éric, e seja sempre bem vindo! Um grande abraço!

      Excluir
    2. Somos 2 Éric, porém eu a mais tempo.... Sempre visito o site, acho fantástico!

      Excluir
    3. Então somos 3... Também sou mais antigo e visito sempre este maravilhoso site!!!

      Excluir
    4. Muito obrigado a todos pessoal! Um grande abraço! :)

      Excluir
  2. Fico imaginando que visão espetacular seria dar um rasante na grande mancha vermelha de Jupiter. Um documentário que tenta simular isso de forma esplendida é a nova série Cosmos apresentada por Neil Degrasse Tyson, pupilo de Carl Sagan. No episódio 1 há uma cena computadorizada desse tipo de tirar o folego. Fica a dica. ;)

    ResponderExcluir
  3. Olá. Linda a reportagem. Eu fiz isto: Fervendo chá de mate leão em um canecão de alumínio no fogão, descobri que a convecção do chá quente forma dois vórtices ligados por uma espécie de elipse hidrodinâmica, localizada perifericamente e não no centro do canecão. Em Vênus há dois vórtices no P. Sul. A diluição de substâncias orgânicas na vazão dinâmica hidromecânica em alta temperatura pode formar uma "mancha"? O vermelho realça por serem substâncias orgânicas inertes em um meio de H, He, NH3 e por aí vai. Tentem fazer em casa!!! E bom chá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é bem Nerd, kkk. Acho que a causa da mancha vermelha é biológica.

      Excluir
  4. Conforme a teoria de Immanuel Velikovky no seu livro "Mundos em Colisão", a mancha vermelha de Jupiter seria o pedaço dele que foi tirado e depois se convirtio no planeta Venus. Curiosos fatos o diametro de Venus é quase igual ao diametro da mancha e por isso que essa mancha nunca vai a desaparecer. !!

    ResponderExcluir
  5. Júpiter é sinônimo de mistérios. Eu poderia ficar anos admirando algo tão lindo como ele. Esses planetas a partir de Marte são muito intrigantes, uns com manchas, outro com anéis, outro bem azulão.
    Quem não gostaria de caminhar em Júpiter se fosse fisicamente possível?
    Aproveitando meu comentário, gostaria de saber se há alguma sonda nesse momento próxima de Júpiter, coletando dados e imagens e se há, o que acontecerá quando ela terminar o serviço? ela vai ser simplesmente desligada ou vai ser sugada pelo campo gravitacional do planeta? caso ela seja sugada ela pode ainda coletar mais imagens de dentro do planeta (enquanto a pressão não destruir ela é claro)?
    Melhor site de astronomia, parabéns a toda equipe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Giovana!

      Júpiter está sendo estudado de perto agora pela sonda Juno. Fizemos inclusive algumas matérias sobre sua chegada. Você encontra aqui mesmo em nosso site.

      Muito obrigado pelos elogios! Seja sempre bem vinda. Um grande abraço!

      Excluir