Mega Tsunamis em Marte foram descobertas por cientistas

mega tsunamis em Marte
Ondas gigantescas devastaram parte do Planeta Vermelho há bilhões de anos...



Contribuindo com a ideia de que Marte possuía um grande oceano de água líquida, cientistas encontram indícios de mega tsunamis, que teriam varrido grande parte da superfície do Planeta Vermelho.

Apesar de Marte agora ser um local seco, frio e inóspito, existem evidências de sobra que mostram que no passado, um grande oceano de água líquida cobria todo o planeta, a bilhões de anos atrás. Como a vida é encontrada em todo lugar onde há água líquida na Terra, pesquisadores afirmam que a vida provavelmente se desenvolveu no passado de Marte, e alguns dizem até que ela pode existir ainda hoje, escondida no subsolo, por exemplo.




Até agora não haviam provas concretas de costas e ondas no Planeta Vermelho, portanto, parece que ainda teremos muitas discussões sobre a existência dos antigo oceanos de água líquida em Marte. E esses debates ganham destaque a cada nova descoberta.


As evidências de tsunamis marcianos

Segundo pesquisadores, novas imagens térmicas das planícies marcianas revelam antigas cicatrizes que poderiam ter sido deixadas por mega tsunamis, a cerca de 3,4 bilhões de anos atrás, quando acredita-se que Marte tinha um gelado oceano de água salgada.

"Nosso trabalho fornece evidências definitivas da presença de grandes oceanos de longa duração em Marte", afirma o co-autor do estudo, Alberto Fairén, cientista planetário no Centro de Astrobiologia em Madri e da Universidade de Cornell, em Nova York.

Depositos de sedimentos mostram evidências de tsunamis marcianos
Depósitos de sedimentos sugerem que ondas
gigantescas devastaram regiões do Planeta Vermelho.
Créditos: Alexis Rodriguez 
Os cientistas examinaram antigos litorais marcianos em busca de anomalias, e descobriram grandes modificações dessas encostas. "São grandes curvas e projeções arredondadas, formadas por depósitos de sedimentos", disse Fairén.

Esses objetos são enormes, chegando a centenas de quilômetros de comprimento, segundo o autor do estudo Alexis Rodriguez, um cientista planetário do Instituto de Ciência Planetária em Tucson, nos EUA. Essas grandes curvaturas também são vistas aqui na Terra após ondas catastróficas, porém, lá em Marte elas são muito maiores.

Os pesquisadores sugeriram então que as evidências apareceram após dois tsunamis gigantes, que se estenderam por uma vasta região elevada, atingindo inclusive grandes picos. O tsunami mais antigo inundou uma área de 800.000 quilômetros quadrados, enquanto o outro mega tsunami teria devastado uma região de 1 milhão de quilômetros quadrados, disseram os pesquisadores.


Destruição total

O tsunami mais antigo arrastou pedras de até 10 metros de diâmetro. Após a ocorrência de um tsunami, a gravidade puxa rapidamente toda a água de volta para o oceano, o que veio a esculpir diversos canais com cerca 200 metros de largura e 20 km de comprimento. Esses canais também são criados aqui na Terra após a ocorrência de tsunamis.

Entre o tsunami mais antigo e o mais novo, o clima de Marte aparentemente se tornou mais frio, uma vez que as fissuras arredondadas do segundo tsunami eram ricas em gelo. "O gelo não voltou para o oceano, o que mostra que o grande oceano já era estava repleto de gelo naquela época", comenta Fairén.




Os cientistas sugerem que os dois mega tsunamis foram causados por dois grandes impactos de rochas espaciais. Os pesquisadores calcularam que os meteoritos criaram crateras de 30 km de largura, desencadeando ondas gigantescas, de aproximadamente 50 metros de altura. Uma pesquisa anterior sugeria que há 3,4 bilhões de anos, impactos desse magnitude aconteceram a cada 30 milhões de anos em Marte.

evidências de tsunamis em Marte
À esquerda vemos um mapa colorido digitalmente mostrando os litorais de Marte há 3,4 bilhões de anos.
À direita vemos áreas encobertas por sedimentos, provenientes dos antigos tsunamis.
Créditos: Alexis Rodriguez

Pesquisas futuras devem olhar mais atentamente os litorais marcianos em busca de novos indícios de tsunamis e depósitos de gelo. "Gostaríamos de investigar esses locais para coletar amostras de gelo, e entender qual era a composição do oceano", disse Rodriguez.

Segundo cientistas, esses novos achados fornecem indícios importantes sobre a possibilidade de vida no Planeta Vermelho. "Se a vida existiu em Marte, essas estruturas de gelo golpeadas pelos tsunamis são ótimos candidatos para buscarmos por assinaturas biológicas", disse Fairén.



Outro fato interessante é que, segundo os cientistas envolvidos no estudo, as praias de Marte não deveriam ser nada parecidas com as que temos aqui na Terra. Longe de serem praias ideais para curtir as férias, elas mais se pareciam com lagos congelados ou com litorais polares, repletas de gelo. Contudo, até mesmo nas regiões mais remotas da Terra, onde o ser-humano não seria capaz de viver sem a ajuda da tecnologia, é possível encontrar formas de vida microbiana. Portanto, se realmente existiu um oceano de água salgada em Marte, a vida provavelmente se proliferou, expandiu e dominou, pelo menos, uma grande parte do antigo Planeta Vermelho.



Fonte: Scientific Reports
Imagens: (capa-ilustração/Wilson Paes/Galeria do Meteorito) / Alexis Rodriguez
24/05/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

3 comentários:

  1. Respostas
    1. "Fonte: Scientific Reports

      Imagens: (capa-ilustração/Wilson Paes/Galeria do Meteorito) /

      Alexis Rodriguez

      24/05/16"

      Excluir
  2. Interessante a matéria, vocês poderiam fazer uma sobre a misteriosa região de Cydônia!

    ResponderExcluir