NASA anuncia a descoberta de 1.284 novos planetas, sendo 9 potencialmente habitáveis!

Novos exoplanetas descobertos
O número de exoplanetas descobertos não pára de crescer!



Em um anúncio oficial feito no dia 10 de maio, a NASA revelou que o Telescópio Espacial Kepler descobriu 1.284 novos planetas fora do Sistema Solar, sendo que 9 são rochosos, e que podem ter a capacidade de abrigar vida. Essa foi de longe a maior revelação de novos exoplanetas descobertos de uma única vez!

O número total de exoplanetas confirmados é de aproximadamente 3.200, sendo que 2.235 foram descobertos apenas pelo Telescópio Kepler. E não pára por aí...




Dados recuperados da missão Kepler indicam que aproximadamente 25% de todas as estrelas normais (de sequência principal, como o Sol) localizadas na nossa Galáxia possuem planetas do tamanho da Terra em suas "zonas habitáveis", ou seja, na distância perfeita para que a água líquida exista em suas superfícies.

Ilustração artística de exoplaneta com 2 sois e um planeta com anéis
Ilustração artística de um planeta de água orbitando duas estrelas, e um gigante de gás com anéis.
Créditos: Richard Cardial / Galeria do Meteorito
Clique na imagem para ampliar

Segundo a cientista da NASA, Natalie Batalha, existem cerca de 70 bilhões de estrelas de sequência principal na Via Láctea, portanto, estamos falando de dezenas de bilhões de planetas potencialmente habitáveis, apenas em nossa Galáxia!




A missão Kepler, de 600 milhões de dólares, foi lançada em março de 2009, com o intuito de descobrir qual era a taxa de planetas parecidos com a Terra dentro da nossa Galáxia. O Observatório Espacial detecta os planetas extrassolares ao observar pequenas diminuições de brilho das estrelas, que são causadas por conta da passagem de planetas em seus discos, algo parecido com o que observamos no Trânsito de Mercúrio. O site do jornal norte-americano The New York Times fez um gráfico interativo dos Exoplanetas e seus sistemas descobertos por Kepler. Você pode conferir esse gráfico interativo de exoplanetas clicando aqui.


A descoberta de planetas potencialmente habitáveis

Desde o início da missão Kepler, em 2009, já foram descobertos 21 planetas com tamanhos de no máximo duas Terras, localizados em zonas habitáveis de suas estrelas. Como mostra a figura abaixo, as esferas laranjas representam os 9 novos planetas anunciados recentemente. As esferas azuis representam os outros 12 planetas que já eram conhecidos:

Infográfico de planetas em zonas habitáveis
Infográfico de pequenos exoplanetas em zonas habitáveis. Créditos: NASA / Kepler   Tradução: Galeria do Meteorito
Clique na imagem para ampliar

Esses planetas estão todos localizados dentro da zona habitável de suas estrelas, e todos estão em escala, e podem ser comparados com a Terra, Vênus e Marte. A faixa verde representa a zona habitável, e quanto mais distante dessa faixa, mais difícil é a possibilidade do planeta abrigar água líquida, e portanto, a vida como conhecemos.

A missão de busca por planetas extrassolares de Kepler estava programada para ter fim em 2013, mas o Telescópio Espacial ainda está em funcionamento. O grupo de cientistas responsável pela missão descobriu uma maneira de estabilizar o Observatório Espacial usando a pressão da luz solar, e em 2014, Kepler embarcou numa nova missão chamada K2.




O Telescópio Espacial Kepler continua a procura por novos exoplanetas em sua missão K2, mas também está observando supernovas, cometas e asteroides. Kepler possui combustível suficiente para continuar operando até meados de 2018, segundo os cientistas responsáveis. Até lá, muita coisa nova deve ser revelada...



Fonte: NASA
Imagens: (capa-ilustração/NASA/W. Stenzel) / Richard Cardial / Galeria do Meteorito / NASA / Kepler
11/05/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

8 comentários:

  1. Hora de atualizar ou substituir a equação de Drake, novos conhecimentos muito além do que se tinha em 1964, ou já o fizeram?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A equação de Drake continua válida, porém devido a quantidade de várias, acrescentado ao desconhecimento humano sobre o número correto de cada uma dessas variáveis, a equação continua sendo apenas um chute, que depende do otimismo ou do pessimismo de quem fizer uso dessa equação.
      Se a pessoa for otimista, o cálculo pode dar um resultado com muitos digitos. Já nas mãos de um pessimista, a equação pode dar um resultado de dois digitos, se muito.

      Excluir
    2. Já fizeram a atualização da equação há menos de 5 anos.

      Excluir
  2. Puxa que legal esse gráfico interativo das orbitas dos sistemas encontrados. Vejam lá no final da página do NY Times, o nosso sistema solar, para que você possam ter referência de tamanho de órbita dos demais sistemas apresentados na página.
    Quanto a ilustração artistica da matéria, ficou belissima. Fico imaginando, que pela quantidade de estrelas que há no universo, a chance de encontrar um lugar com o visual igual a dessa ilustração é imensa. E deve ser uma visão de tirar o folego. ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando o George Lucas lançou a série de filmes Star Wars (Guerra nas Estrelas), e os astrônomos viram o planeta de Anakin com dois sóis, eles disseram: "Nossa, o Lucas errou feio com esses dois sóis no céu. Isso não existe"... depois de vários anos, foi encontrado o primeiro planeta que orbita duas estrelas, se não me engano, o Kepler 16B.

      Depois disso, um astrônomo famoso, não me lembro qual, falou uma frase sobre os filmes de ficção: "Se você consegue imaginar, então é provável que exista..."... o que é bem o caso né Milton.... rsrsr

      Um grande abraço!

      Excluir
    2. Bem lembrado, quanto a referência ao fictício planeta Tatooine. Engraçado notar que, algo que foi motivo de deboche outrora, agora é levado a sério.
      Eu sempre achei que filmes de ficção abrem os horizontes quanto as possibilidades para o futuro. Digo isso, pois diversos inventos se inspiraram em filmes.
      Isso não significa que o cinema é o autor criativo dessas invenções. Sabemos que muito desses fatos, veem de referencias já estudadas ou sugeridas pela ciência. Mas certamente o cinema é a mola propulsora para que muitos engenheiros ou cientistas deem seus esforços e dedicação para tornar real, essas "fantasias" apresentadas na telona.

      Excluir
  3. nossa que legal, eu acredito em vida fora da terra, mas para descobrir os cientista em que desenvolver um meio de viajar 80% na velocidade da luz e fazer uma nave tripulada com cerca de 500 pessoas ou mais.
    adoro novidade sobre espaço e planetas.

    ResponderExcluir
  4. Ha vida fora do nosso fora e dentro do nosso sistema solar, mas a humanidade tera de apostar na pesquisa cientifica pra atingirmos esse objectivo!

    ResponderExcluir