O campo magnético da Terra está mudando mais rápido do que imaginávamos!

o campo magnético da Terra está mudando
Cientistas encontram indícios de que estamos em meio a uma inversão de polos...



Qualquer pessoa que observa a agulha de sua bússola apontar para o norte, pode ter a falsa impressão de que sua direção é uma constante. Mas não é.

Pesquisadores já sabem há algum tempo que o nosso campo magnético está realmente mudando de posição, mais uma vez. Atualmente, o polo norte magnético está se movendo a 40 quilômetros por ano, o que ao longo do tempo, fará uma grande mudança na direção que sua bússola aponta. Além disso, o campo magnético global enfraqueceu 10% desde o século 19.

Um novo estudo, feito pelos satélites Swarm, da Agência Espacial Europeia (ESA) revela que as mudanças no campo magnético da Terra estão acontecendo a passos largos, com muito mais rapidez do que se acreditava anteriormente. No vídeo abaixo, a cor azul representa as áreas de baixa intensidade do campo magnético, e a área vermelha mostra as regiões onde ele está forte:


Dados adquiridos pelos satélites Swarm, combinados com dados do satélite dinamarquês Ørsted, e do satélite alemão CHAMP, mostram claramente que o campo magnético da Terra enfraqueceu cerca de 3,5% nas altas latitudes acima da América do Norte, enquanto se tornou cerca de 2% mais forte na região acima da Ásia. A região em que o campo magnético é mais fraca fica sobre o Oceano Atlântico e parte da América do Sul, a famosa "Anomalia do Atlântico Sul". Podemos perceber ainda que essa anomalia se moveu para a direção oeste, além de ter enfraquecido ainda mais, em cerca de 2%. O que mais chama a atenção é que essas mudanças ocorreram em um curto período, entre 1999 e 2016.


A importância do nosso escudo magnético - qual o risco?

O campo magnético da Terra é como um escudo, que nos protege contra as tempestades solares e os raios cósmicos. Quanto mais fraco é o campo magnético, mais radiação irá penetrar na atmosfera do planeta. Como podemos perceber, a inversão do campo magnético não é uma novidade, e vem acontecendo em determinados períodos ao longo de milhões de anos. Certamente a vida sobrevive a isso, e nós somos a prova irrefutável. Contudo, os cientistas não sabem ao certo se o enfraquecimento do campo magnético, e portanto sua inversão, poderia representar um risco a nossa tecnologia, já que as tempestades solares têm poder mais que suficiente para danificar equipamentos eletrônicos e redes de energia.

Campo magnético da Terra e tempestades solares - NASA
Ilustração artística mostra os efeitos de uma tempestade solar sobre o campo magnético da Terra.
Créditos: NASA

Mas embora pareça assustador (e não deixa de ser), essas grandes mudanças no nosso campo magnético são pequenas se comparadas às mudanças ocorridas no passado. Algumas vezes, os polos magnéticos da Terra chegam a se inverter, como mostram registros de magnetismo gravados em antigos monumentos, rochas e artefatos.

Até hoje os cientistas não sabem como prever essas mudanças, tampouco se elas podem um dia ser previsíveis. Por outro lado, de acordo com registros, sabemos que elas ocorrem em intervalos irregulares de aproximadamente 300.000 anos. Mas vale ressaltar: isso não é uma regra.

A última inversão dos pólos magnéticos do planeta Terra ocorreu a cerca de 780.000 anos, e sabendo disso, não há como evitar a pergunta: "será que estamos atrasados para uma nova inversão de polos?"




Os satélites Swarm formam um trio, equipados com magnetômetros capazes de identificar a intensidade do campo magnético da Terra desde altitudes acima daquelas onde se encontram os satélites geoestacionários, até a profundidades incríveis, beirando o núcleo da Terra. Os três satélites Swarm devem operar pelo menos até o ano de 2017, portanto, novidades podem surgir a qualquer momento.



Fonte: ESA
Imagens: (capa-ilustração/Galeria do Meteorito) / ESA / NASA
13/05/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

12 comentários:

  1. Parabéns a vocês por esta matéria importantíssima. Esclarecimento é uma coisa linda e um tesouro incalculavelmente incalculável. Bem: Vamos usar chapéus, roupas de algodão, comer cenouras, carotenos, e passar unguentos fator 35 ou 40. Isto sim é notícia! Um povo esclarecido se adapta e se torna crítico-intuitivo. Parabéns ao site!!!

    ResponderExcluir
  2. Fodas! ouço isso a anos , não me afeta em nada

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Afeta sim. Não diretamente, mas na proporção em que as intempéries climáticas estejam ocorrendo.
    Por exemplo, em 2009 pude estar no círculo polar antártico por seis meses e o que observamos é que esta anomalia afetou diretamento sistemas de GPS e telecomunicações a bordo dos navios que transitavam no Atlântico Sul.
    Pense que num futuro próximo, muitas aeronaves e navios operarão remotamente, qual drones, entregando de presentes do Ebay à Napalms.
    Se centésimos de graus estiverem errados, o destinatário final vai ser outro. E isso definitivamente não é nada bom..

    ResponderExcluir
  6. Sério teremos furacão terromotro ventos enchente e mts?

    ResponderExcluir
  7. será que já estudaram o campo magnético junto com o desmatamento e o aquecimentos Global , e a merda toda que o seres humanos estão fazendo com o planeta ???

    ResponderExcluir