Como seria viver em Tritão, lua de Netuno?

como seria viver em tritão, satélite de Netuno?
O que nos reserva o mundo mais frio do Sistema Solar?



Essa matéria faz parte da série especial 'Como seria viver em outros planetas?' Confira todos os episódios clicando aqui.

Assim como os outros gigantes de gás do nosso Sistema Solar, Netuno não possui uma superfície sólida capaz de abrigar uma colônia, mas seu maior satélite natural, Tritão, poderia ser um ótimo local para montarmos uma base.

Até os dias atuais, apenas uma espaçonave visitou Tritão. Em 1989, a sonda Voyager 2 passou perto de Netuno e seu sistema, conseguindo registrar algumas imagens do polo sul da lua.




As fotos de Tritão mostram que sua superfície é composta basicamente por rochas e gelo de nitrogênio, com crateras e planícies compondo seu visual. As regiões mais planas são o resultado da poeira e dos gases de nitrogênio expelidos por geyseres. Essas partículas são espalhadas por toda sua superfície, e criam um visual parecido com lugares nevados aqui na Terra. Os cientistas infelizmente ainda não sabem se esses geyseres poderiam ser perigosos para alguém que estivesse na superfície da lua.

"Nós mal entendemos a atividade dos geyseres de Tritão", comenta Adam Masters, físico espacial da Imperial College London, na Inglaterra. "De qualquer forma, seria bom não estar muito próximo das regiões onde as plumas são ejetadas na atmosfera."


infográfico - tritão em comparação com a Terra
A atmosfera de Tritão é tênue, e não é suficiente para gerar ventos ou variações climáticas. A sensação seria parecida com aquela sentida pelos astronautas na Lua da Terra. O céu também não teria cores, mesmo durante o dia.

Netuno leva 165 anos terrestres para completar uma volta ao redor do Sol. Tritão, por sua vez, faz sua translação ao redor do planeta com uma inclinação considerável. Juntando esses dois fatos, sabemos que as regiões polares de Tritão ficam pouco mais de 80 anos expostas ao Sol. A luz solar causa mudanças na superfície e na pressão de Tritão, fazendo com que o nitrogênio congelado, o metano e o monóxido de carbono sublimem na forma de gás. Acredita-se que a pressão atmosférica no hemisfério sul de Tritão tenha quadruplicado desde a visita da sonda Voyager 2, em 1989, mas ainda assim ela é 20.000 vezes mais fraca do que a pressão atmosférica da Terra.

Viver na superfície de Tritão seria, climaticamente falando, entendiante, pois não sentiríamos mudanças significativas na temperatura, que é de aproximadamente -235°C. Uma sensação congelante! Mas já seria de se esperar, pois até onde se sabe, Tritão é o objeto mais frio de todo Sistema Solar.

Diferente dos outros satélites naturais de Netuno, Tritão parece ter sido capturado pelo poder gravitacional de seu planeta hospedeiro. Por conta disso, Tritão é a única lua que completa sua órbita na direção oposta à rotação de seu planeta.




Um dia em Tritão tem cerca de 6 dias terrestres (tempo necessário para a lua completar uma volta ao redor de Netuno). Assim como a nossa Lua, Tritão tem sua rotação sincronizada, ou seja, um lado está sempre virado para Netuno. Se esse fosse o local da nossa base, veríamos não apenas a região equatorial de Netuno, como também seus polos norte e sul, e o melhor: tudo isso em um único dia! Não teríamos essa experiência em nenhuma outra lua do Sistema Solar, e isso ocorre por conta da inclinação orbital de Tritão.

Netuno e Tritão - órbita
Como podemos ver nessa ilustração, Tritão realiza sua orbita na direção oposta aos outros satélites de Netuno,
com uma inclinação acentuada comparada ao plano orbital das outras luas.
Créditos: JPL / U.S. Geological Survey


Ao olhar para o céu, Netuno seria visto 10 vezes maior do que a Lua Cheia vista da Terra. Seria interessante observar as mega tempestades que se formam de tempos em tempos no gigante azul. Já o Sol visto de sua superfície, como já era de se esperar, seria apenas um pequeno ponto no céu escuro...




Após alguns dias, provavelmente iríamos gostar de explorar a superfície da lua para conhecer o nosso novo lar, mas pra isso teríamos que nos acostumar a caminhar por lá, afinal, sua gravidade baixa (cerca de 8% da gravidade da Terra, ou metade da gravidade da Lua) faria tudo ficar um pouco mais complicado. Mas depois de nos acostumarmos a andar na superfície de Tritão, bastaria caminhar por 70 dias seguidos em linha reta para completarmos uma volta ao redor desse mundo gelado. É possível que após algum tempo, você já conhecesse cada ínfimo detalhe de sua superfície como a palma de sua mão.

colônia em tritão, lua de Netuno
Ilustração artística de uma colônia em Tritão, lua de Netuno.
Créditos: Galeria do Meteorito / Wilson Paes         Clique na imagem para ampliar

E não pense que durante as longas caminhadas de exploração você poderia ficar no telefone conversando com seus amigos e familiares na Terra. A luz (ou os sinais de rádio) levam cerca de 4 horas para viajar de Tritão até a Terra.



Imagens: (capa-ilustração/Galeria do Meteorito/Richard Cardial) / NASA / JPL / JPL / U.S. Geological Survey / Galeria do Meteorito / Wilson Paes
08/07/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

16 comentários:

  1. Excelente série. Parabéns Galeria do Meteorito! \o/
    OBS: Acho que Plutão deveria receber uma menção honrosa nessa série, por ser, até o momento, o corpo mais interessante para ser estudado, lá nos confins do sistema solar.
    Abraços! ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se até mesmo as luas são consideradas aqui, certamente um planeta anão como plutão e talvez até outros do mesmo tipo do nosso sistema solar, sejam mencionados na série.

      Excluir
    2. Muito obrigado Milton!

      Como disse nosso amigo Delanilson, teremos mais episódios. A série ainda não terminou.

      Abraços!

      Excluir
  2. Bem frio... Próximo ao zero absoluto, difícil de imaginar tal T. Parabéns Galeria, excelente serie.

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez parabéns pela fantástica série.sera que um dia teremos alguma base em alguma lua dessas???e quanto ao astronauta tupiniquim na ilustração kkk será que também um dia veremos algum programa espacial brasileiro de verdade!!!! excelente fim de semana para todos nós seguidores da galeria do meteorito!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente teremos sim. A dúvida é: será que nós iremos presenciar esse momento?!

      Muito obrigado Matheus e Ricardo, pelos elogios e por participarem aqui nos comentários!

      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Este é o site de Astronomia mais otimista do mundo! Uma bandeira brasileira no braço do astronauta... ahhh tá! Contem outra. Bem, quando eu completar 7 250 anos de idade, quem sabe assistirei este fato! Se a colônia na gravura for brasileira: "MEU TRITÃO, MINHA VIDA", parcele sua casa própria em 25 anos. Haja calefação e malha blindada contra campos magnéticos! Os netunianos bateriam com a mão na testa: PAF! OHHH NÃO! BATEDORES DE CARTEIRAS, NAVES E HIDROGÊNIO DA ATMOSFERA SERÁ DESVIADO POR LICITAÇÃO! Pobre Netuno...

    ResponderExcluir
  5. voces poderiam fazer de ganimedes, a lua de jupiter.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já passamos do sistema de Júpiter Thiago... provavelmente não teremos Ganimedes nessa série... mas quem sabe numa próxima?!

      Abraços!

      Excluir
    2. UAUUUUU!!! Já passaram por Júpiter??? Olha, foi a coisa brasileira mais rápida que a Juno desde toda nossa história! Ahhh tá! Velocidade da imaginação! Entendi! Foi lançada a BOLSA IMAGINAÇÃO, de Mercúrio a Plutão... desde que seja brasileiro no espaço tá? Pelo menos na nossa imaginação não tem verbas de financiamento e liberação de recursos. E, como dizia Einstein, ela é mais importante que conhecimento!

      Excluir
  6. Respostas
    1. Que bom que todos estão gostando! Ficamos muito felizes!

      Forte abraço!

      Excluir
  7. Sei que é só arte, mas a luminosidade não fica exagerada nesses planetas mais distantes do sol ? já que o sol seria apenas um ponto com maior brilho no céu....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa Christian. Mas repare dentro da estufa. Lá você pode ver como seria a claridade comum (que estamos acostumados aqui na Terra), necessária para o crescimento das plantas e vegetais. Portanto, veja que a claridade na superfície de Tritão é bem mais baixa, mesmo durante o dia.

      Abraços!

      Excluir
  8. Excelente matéria. Parabéns a todos do galeria do meteorito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Iraja! Ficamos muito felizes! Mas tem mais por aí, não acabou não!

      Abraços! Muito obrigado mais uma vez!

      Excluir