Colisão entre duas estrelas iluminará o céu em 2022

colisão de duas estrelas iluminará o céu
Prepare-se para um espetáculo cósmico!

Colisões estelares são uma das coisas mais surpreendentes que podemos imaginar. Mas infelizmente, de acordo com as melhores estimativas, tais eventos só acontecem em média 1 vez a cada 10.000 anos, considerando apenas a nossa Galáxia.

Recentemente, graças a melhoria de instrumentos e da tecnologia, os astrônomos conseguiram observar algumas fusões em andamento. Mas até agora, ninguém conseguiu testemunhar o fenômeno em ação desde o início. A parte boa dessa história é que isso está prestes a mudar!

De acordo com estudos feitos por uma equipe de pesquisadores do Calvin College, em Michigan, nos EUA, um sistema binário de estrelas provavelmente irá se fundir e explodir em 2022. Essa é uma descoberta histórica, pois permitirá aos astrônomos observar a fusão estelar e a explosão pela primeira vez na história! E pra tudo ficar ainda mais empolgante, os pesquisadores afirmam que essa explosão será visível a olho nu, daqui da Terra!




Os resultados foram apresentados na 229ª Reunião da Sociedade Astronômica Americana (AAS). Em uma apresentação intitulada "Uma Precisa Previsão de uma Fusão Estelar e Nova Explosão Vermelha", o Professor Lawrence Molnar e sua equipe compartilharam as descobertas que indicam como este sistema binário se fundirá em 2022. Este evento, segundo eles, não será apenas visível a olho nu, como também se tornará o objeto mais brilhante do céu noturno!

Este sistema binário de estrelas, conhecido como KIC 9832227, está sendo monitorado desde 2013 pelo professor Molnar e seus colegas, estudantes de diversas universidades.

ilustração artística do sistema KIC 9832227
Ilustração artística criada pelo professor Molnar e seus colegas mostra o
sistema binário de estrelas KIC 9832227, e como ocorre o contato entre suas atmosferas.
Créditos: calvin.edu

No início, não se sabia ao certo se o sistema KIC 9832227 era um pulsar ou um par de estrelas, mas após diversas observações, o professor Molnar e seus colegas concluíram que se tratava mesmo de um par de estrelas do tipo "binário de contato" (uma classe onde as duas estrelas estão próximas o suficiente para compartilhar uma atmosfera).

A mesma situação ocorreu no passado com outro sistema binário chamado V1309 Scorpii, que também tinham atmosfera compartilhada e subitamente, em 2008, as estrelas colidiram e explodiram.




Acreditando que o sistema KIC 9832227 tinha um destino semelhante, os pesquisadores realizaram diversos testes observacionais para entender o comportamento das estrelas. Após medir o período orbital e observá-las através de espectrômetros, concluiu-se que as estrelas estão de fato prestes a explodir numa forte colisão, resultando numa explosão estelar conhecida como "Nova Vermelha". Inicialmente, em 2015, a explosão foi estimada para acontecer entre 2018 e 2020, mas após analisar melhor os dados, os pesquisadores determinaram que a explosão deve acontecer em 2022.

A explosão, como foi dito anteriormente, poderá ser vista a olho nu, e deve se tornar o objeto mais brilhante do céu noturno. Esses sistema binário encontra-se na constelação de Cygnus, como mostra na imagem abaixo:

Localização do Sistema KIC 9832227
Localização do sistema KIC 9832227, na constelação de Cygnus.
Créditos: STELLARIUM / Galeria do Meteorito

Como podemos ver na imagem acima, a constelação de Cygnus fica muito próxima do horizonte norte, o que dificulta sua observação no hemisfério sul, principalmente se o observador não tiver acesso a um horizonte livre, sem prédios, árvores, etc...

Outro fator é que para nós, do hemisfério sul, essa constelação não é visível durante os meses de verão. Portanto, devemos torcer para que essa colisão estelar ocorra preferencialmente durante o inverno. Observadores localizados no norte e nordeste do Brasil têm uma visão privilegiada dessa região do céu, pois ela ganha uma melhor altura no firmamento.


Uma colisão pra recordar

Isso é um achado incrível! Nenhum astrônomo conseguiu prever com tamanha precisão quando e onde uma colisão estelar iria acontecer. Essa é a primeira vez, e tudo foi descoberto por professores e estudantes! "A maioria dos grandes projetos científicos são feitos em grupos enormes com milhares de pessoas e bilhões de dólares. Este projeto é exatamente o oposto. Foi feito usando um telescópio pequeno, com um professor e alguns estudantes que procuravam algo improvável", explica o professor Molnar. "Ninguém jamais previu uma explosão antes. Por que pagar alguém para fazer algo que quase certamente não teria êxito? É uma proposta de alto risco. Mas em Calvin é apenas o meu risco, e eu posso usar o meu trabalho em questões interessantes e abertas para trazer emoção extra para a minha sala de aula. Alguns projetos ainda têm uma vantagem quando você não tem tanto tempo ou dinheiro."

Professor Lawrence Molnar
Professor Lawrence Molnar, do Departamento de Física e Astronomia da Calvin College.
Ele previu que o sistema binário de estrelas KIC 9832227 irá colidir em 2022.
Créditos: calvin.edu

Ao longo do próximo ano, Molnar e seus colegas estarão monitorando KIC 9832227 cuidadosamente, e em comprimentos de onda múltiplos. Isso será feito com a ajuda dos observatórios Very Large Array (VLA), Infrared Telescope Facility da NASA, em Mauna Kea, e com a sonda XMM-Newton, da ESA. Estes observatórios irão estudar os espectros de rádio da estrela, o infravermelho e as emissões de raios-X, respectivamente.




Molnar também espera que os astrônomos amadores sejam capazes de monitorar o sincronismo orbital do par e as variações de brilho. E se Molnar e as previsões de sua equipe estiverem corretas, cada estudante e entusiasta (isso sem mencionar as pessoas que estiverem passeando a noite, olhando para o céu) terá um espetáculo cósmico maravilhoso para observar! Será um evento inesquecível.
Um fato interessante é que essa descoberta histórica também será o tema de um documentário, intitulado "Luminous". Ele será dirigido por Sam Smartt, um professor da Calvin College, e narrará o processo que levou o professor Molnar e sua equipe a realizar essa descoberta sem precedentes.

O documentário também incluirá as imagens da explosão da Nova Vermelha. Mas como ela só acontecerá em 2022, ele deverá ser lançado em algum momento em 2023.

E aí? Ficou ansioso(a)?!







Imagens: (capa-ilustração/ESO) / calvin.edu / STELLARIUM / Galeria do Meteorito
06/02/17


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTubeTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

16 comentários:

  1. Mas se ela vai explodir em 2022,a luz dela ainda vai percorrer uma distância.Não era pra demorar um pouco até a luz chegar aqui?por causa da distância entre ambos? (Terra e as Estrelas).Ou elas já se tinham se fundido a um tempo atrás?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já se fundiram há um tempo e só agora podemos observar.

      Excluir
    2. Isso mesmo Isadora. É como o Fagner disse! O seu ponto de vista está certo, pois a luz de uma explosão estelar só chega aqui após ela viajar no espaço por milhares de anos, porém, isso já foi levado em consideração, afinal, eles perceberam que elas estão prestes a colidir uma com a outra, e essa informação já chegou aqui na Terra.

      Abraços!

      Excluir
    3. Já aconteceu a 1800 anos atrás, e agora poderemos observar. Boa matéria, abraço.

      Excluir
  2. O objeto mais brilhante do céu noturno? Mais que a lua?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Márcio!

      Fizemos essa mesma pergunta, afinal, no estudo original consta que será o objeto mais brilhante do céu noturno, mas eles não disseram nada além disso. Fica aí uma interrogação... Mas mesmo que eles não tenham considerado a Lua (o que acho difícil), ainda assim seria um brilho muito intenso, facilmente visível para todos.

      Abraços!

      Excluir
  3. sim, existe.

    e aos milhões, mas estão muito distante de nós.

    ResponderExcluir
  4. O que você quis dizer com "melhor altura no firmamento"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Altura maior; ganha altura.

      A constelação mencionada é vista em uma região mais alta do céu quando estamos no norte ou nordeste do Brasil.

      Por outro lado, quanto mais ao sul estivermos, mais alta será a constelação do Cruzeiro do Sul, por exemplo...

      Abraços!

      Excluir
  5. A maioria das pessoas nao dao importancia pra lua, entao qnd dizem mais brilhante no ceu noturno estao relacionando a estrelas e planetas q estao bem mais distante do nosso planeta simples assim.

    ResponderExcluir
  6. Isso já aconteceu, mas quanto tempo, 100 200 1000 10 milhões de anos? afinal qual a distancia da estrela eles n falam.

    ResponderExcluir
  7. Quiii 13 milhoes de km seloco? Nem mesmo o sol esta a distancia qe falam, esta muito mais perto qe a gente imagina #Teoriadaterraplana

    ResponderExcluir
  8. Eles deveria esclarecer melhor, pois essas estrelas já colidiram a milhoes de anos.

    ResponderExcluir
  9. Concordo se a luz do sol leva oito nimutos para chegar aqui como esta estrela ja colidiram estamos olhando oara o passado nao entendo como emv2022

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elas ja se colidiram, a luz chegara aqui em 2022

      Excluir
  10. Será se eles têm uma ideia de quanto tempo vai durar esse brilho? Horas, dias, semanas, meses?

    ResponderExcluir