3,7 bilhões de anos - Vida na Terra tem sua origem e história modificadas!

Vida na Terra - 3,7 bilhões de anos - água doce
Estudo revela: a vida na Terra começou bem mais cedo, e pode ter surgido na água doce

A evidência em fóssil do início da vida foi descoberta e revelada por cientistas. Ela foi encontrada em depósitos de fontes termais que datam de 3,48 bilhões de anos, em Pilbara, oeste da Austrália, redefinindo o modo como víamos o surgimento da vida na Terra, e quem sabe, até em outros mundos!

Anteriormente, as evidências mais antigas de vida microbiana em terra eram de depósitos de 2,7 - 2,9 bilhões de anos, na África do Sul, em solos antigos ricos em matéria orgânica. A descoberta tem grandes implicações para a busca pela vida em Marte, já que lá existem antigos depósitos de fontes quentes com idade semelhante aquela de Pilbara.

"Nossas descobertas animadoras não apenas retrocedem o registro da vida que vivia em locais quentes como também indicam que a vida habitava a Terra muito mais cedo - cerca de 580 milhões de anos antes do que se pensava", disse a autora principal do estudo, a PhD Tara Djokic.

Pilbara - Austrália - Christian Fletcher
Pilbara, Austrália.
Créditos: Christian Fletcher

Segundo a própria autora, o novo estudo pode implicar numa grande mudança sobre como teria ocorrido a origem da vida, pois ela poderia ter surgido em fontes de água doce, e não no oceano como amplamente divulgado.


Atualmente, os cientistas estão cogitando apenas duas hipóteses para a origem da vida. Ou ela teria começado em respiradouros hidrotermais de oceanos profundos, ou em pequenos lagos quentes - como diria Charles Darwin.




"A descoberta de potenciais assinaturas biológicas nestas antigas fontes termais na Austrália Ocidental oferece uma perspectiva geológica que pode dar peso a uma diferente origem da vida", disse a Dra. Tara.

O estudo da Dra. Tara Djokic e dos Professores Martin Van Kranendonk, Malcolm Walter / Colin Ward da Universidade UNSW, de Sydney, e a professora Kathleen Campbell da Universidade de Auckland, foi publicado na revista Nature Communications.




Dentro dos depósitos de água quente de Pilbara, os pesquisadores também descobriram estromatólitos - estruturas de rochas carbonáceas com formas de coluna ou de lâminas que foram esculpidas por antigas colônias de micro-organismos. Também haviam sinais de vida nesses depósitos, incluindo micro-estromatólitos fossilizados, texturas microbianas e bolhas bem preservadas feitas de substâncias pegajosas (microbiana).

Pilbara - Austrália - Google Maps
Mapa mostra a Austrália com a região de Pilbara destaca em vermelho.
Créditos: Google Maps / divulgação

"Isto mostra que uma variedade diversa de vida existia na água doce, na terra, no início do nosso planeta", disse o professor Van Kranendonk, diretor do centro australiano de astrobiologia e chefe da equipe de ciências biológicas da Universidade UNSW. "Os depósitos de Pilbara têm a mesma idade da maior parte da crosta de Marte, o que torna os depósitos de fontes quentes no Planeta Vermelho um alvo emocionante para a nossa busca de vida extraterrestre fossilizada".

Em setembro de 2016, o Professor Kranendonk fazia parte de uma equipe internacional responsável por encontrar o que seria possivelmente a evidência de vida mais antiga n o planeta Terra - fósseis de estromatólitos de 3,7 bilhões de anos na Groenlândia, em uma região rasa do mar. Ele também deu conselhos geológicos à NASA sobre onde pousar uma sonda para exploração de Marte em 2020.




"A região de Pilbara nos fornece um rico registro dos primeiros anos de vida na Terra e é uma região chave para o desenvolvimento de estratégias de exploração em Marte", comenta o professor Walter, diretor e fundador do Centro Australiano de Astrobiologia. "Com isso, tentaremos responder a um dos maiores enigmas da ciência e da filosofia - a vida surgiu mais de uma vez no Universo?"


Imagens: (capa-ilustração) / Christian Fletcher / Google Maps / divulgação
10/05/17

Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTubeTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 comentários:

  1. Ótima matéria!! Vocês estão de parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Washington! Um grande abraço!

      Excluir
  2. Show de matéria. No início eu estava pensando que a teoria da Panspermia ficaria fortalecida, mas como são depósitos de águas termais, a conclusão é o contrário.

    Emocionante, provavelmente, logo que foi possível a vida surgiu. Por que não em outras parte do Universo também?

    ResponderExcluir
  3. Entendi que uma coisa não invalida a outra... Águas termais seriam uma condição mais favorável para que os "germes da vida" se desenvolvessem. Ou seja, isso poderia acontecer em vários locais do universo independentemente!

    ResponderExcluir