Tudo sobre a chuva de meteoros Quadrantidas 2018

chuva de meteoros Quadrantidas
Estamos no pico de uma das maiores chuvas de meteoros do ano para o hemisfério norte!


A chuva de meteoros Quadrântidas acontece todos os anos, entre os dias 28 de dezembro e 7 de janeiro, mas é entre os dias 3 e 4 de janeiro que ocorre seu pico - momento em que a maior quantidade de meteoros pode ser observada.



E olha que não são poucos meteoros: cerca de 120 meteoros podem riscar o céu a cada 60 minutos, ou seja, temos uma média de 1 meteoro pra cada 30 segundos!

Infelizmente, a chuva de meteoros Quadrantidas é melhor observada do hemisfério norte, já que seu radiante (região do céu onde os meteoros parecem surgir) fica bem próximo das constelações de Ursa Menor e Ursa Maior.




Isso não significa que no hemisfério sul (como no Brasil, por exemplo) será impossível sua observação, mas sim que veremos uma quantidade muito menor de meteoros por aqui.

Outro fator preocupante é a Lua, que ainda está em sua fase Cheia. Como se não bastasse, tivemos a Super Lua há alguns dias, o que deixou o brilho do nosso satélite ainda mais forte. Quando a Lua encontra-se no céu, seu brilho ofusca o brilho tênue dos meteoros, o que dificulta ainda mais a observação da chuva de meteoros Quadrântidas 2018.

Meteoro Quadrantídeo registrado em 2014 junto com auroras boreais - Tommy Eliassen Photography
Meteoro Quadrantídeo registrado em 2014 junto com auroras boreais.
Créditos: Tommy Eliassen Photography

Ainda assim, pra quem ama observar o céu noturno, sobretudo as famosas "estrelas cadentes", essa pode ser uma chance de avistar alguns meteoros riscando o céu.

No Brasil, observadores do norte e nordeste do país serão privilegiados, já que as constelações boreais (do norte) ganham certa altura no céu de algumas regiões.


A chuva de meteoros também acontece na Lua

Assim como ocorre na Terra, os fragmentos de uma chuva de meteoros também se encontram com a Lua, mas por não ter atmosfera considerável, eles não criam rastros luminosos como aqui na Terra. Ao invés disso, os fragmentos espaciais colidem com a superfície lunar gerando pequenas ou grandes explosões.




E já que ela está no céu, nada melhor do que observá-la em busca de impactos. Por isso, se o tempo permitir, teremos uma transmissão ao vivo nesse fim de semana com observações em tempo real da Lua em busca de impactos lunares, uma cortesia do Observatório ROCG, localizado no Rio de Janeiro. Se inscrevam em nosso canal no YouTube e fiquem atentos!


Como observar a chuva de meteoros Quadrantidas 2018?

O mehor horário para observar a chuva Quadrantidas é entre as 23h00 do dia 3 de janeiro até o amanhecer do dia 4.

Olha para a direção norte/nordeste do céu - é de lá que os meteoros irão se originar. O radiante encontra-se entre as constelações de Draco, Bootes e Ursa Major, como mostra na imagem abaixo:

Radiante da chuva de meteoros QUADRANTIDAS
Radiante da chuva de meteoros Quadrântidas vista a partir de Nova Deli, India.
Créditos: STELLARIUM         /         Edição: Galeria do Meteorito

A esteira de fragmentos responsável por essa chuva de meteoros é bastante espessa, porém muito estreita. Isso significa que a taxa de meteoros será alta, mas bem localizada próximo do radiante, com duração curta. Pouquíssimos meteoros da chuva Quadrantidas riscam o céu longe de seu radiante.


Por que o nome Quadrantidas?

As chuvas de metyeoros geralmente são nomeadas de acordo com a constelação onde encontra-se o radiante, como as Perseídas ocorre na constelação de Perseus, Geminidas na constelação de Gêmeos, etc... Mas não existe nenhuma constelação chamada "Quadrante", correto?

Atualmente não existe, mas no passado havia uma constelação chamada Quadrans Muralis, mas em 1922 foi incorporada na constelação de Bootes (Boieiro).

Antiga constelação de Quadrans Muralis - Atlas Coelestis
Antiga constelação de Quadrans Muralis.
Créditos: Atlas Coelestis

Quadrante era um instrumento montado em uma parede que era utilizado para medir ângulos no céu. O mais famoso astrônomo do século 16, Tycho Brahe, usou um grande quadrante em seu observatório dinamarquês Uraniborg para medir precisamente as posições planetárias, que Johannes Kepler usou posteriormente para desenvolver suas três leis do movimento planetário.




Em 1795, Lalande criou uma pequena constelação entre Boötes e Draco que ele chamou de Quadrans Muralis, mas quando a UAI (União Astronômica Internacional) definiu a lista das 88 constelações oficias em 1922, a Quadrans Muralis não foi inclusa, e hoje em dia seu nome só sobrevive nessa chuva de meteoros.


Origem misteriosa

Normalmente, as chuvas de meteoros são causadas por fragmentos de cometas que colidem com a atmosfera da Terra. Mas no caso da chuva Quadrântidas, ninguém sabe ao certo o que a originou.

Em 2003, o astrônomo Peter Jenniskens tentou identificar o objeto responsável pela chuva Quadrântidas como o asteroide 2003 EH1.




A cerca de 500 anos atrás, astrônomos chineses, japoneses e coreanos observaram o cometa C/1490 Y1, que poderia ser o "pai" da chuva Quadrântidas. Esse cometa pode ainda ser o mesmo objeto avistado pelo astrônomo Peter Jenniskens, que foi avaliado por ele como um asteroide. Até o momento, a origem dos fragmentos que resultam na anual chuva de meteoros Quadrântidas ainda é desconhecida. Talvez sua origem permaneça pra sempre como um grande mistério.


Imagens: (capa-ilustração/divulgação) / Tommy Eliassen Photography / STELLARIUM / Galeria do Meteorito / Atlas Coelestis
03/01/18


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ontem no meu quintal eu vi só um :/ era 21:00 naquele momento, não consegui ficar depois da meia noite kkk

    ResponderExcluir