Como seria viver em Mercúrio?

viver em Mercúrio
O que aconteceria se chegássemos no planeta mais próximo do Sol?

Essa matéria faz parte da série especial 'Como seria viver em outros planetas?' Confira todos os episódios clicando aqui.

Mercúrio é o planeta mais próximo do Sistema Solar, mas engana-se quem acredita que seja o mais quente (esse lugar é ocupado por Vênus). Apesar disso, mudanças bruscas de temperatura em sua superfície fazem com que este seja um planeta pouco cogitado para uma visita humana. Mas se tivéssemos tecnologia para estar lá, o que aconteceria conosco?

As fotos feitas pela sonda MESSENGER mostram que Mercúrio possui calotas de gelo de água em seus polos, que permanecem em uma escuridão permanente. Captar água do gelo nos pólos seria uma forma inteligente de sobreviver nesse local inóspito, mas instalar bases nos pólos não seria uma boa ideia, segundo David Blewett, cientista da missão MESSENGER.




Uma alternativa seria fazer uma base próxima dos pólos, mas fora da área escura, evitando as baixas temperaturas. Talvez o interior de uma cratera de impacto pudesse ser um bom local, e ao mesmo tempo possibilitaria "mineração de água" nos pólos.

Ainda assim, seria inevitável lidar com as temperaturas extremas de Mercúrio, que chegam a 430°C durante o dia e -180°C durante a noite. Um dia em Mercúrio dura cerca de 59 dias terrestres, e após 88 dias, ele completa uma volta ao redor do Sol, ou seja, em um dia e meio aproximadamente.

Um fato interessante seria observar o Sol por lá, que seria aparentemente 2,5 vezes maior do que na Terra, e por conta de sua rotação e órbita, veríamos o Sol nascer a leste e ir em direção a oeste, fazendo uma parada no meio do caminho, regressando um pouco e depois continuando rumo ao poente, a oeste.




Durante o dia, o céu de Mercúrio seria completamente preto, e não azul como na Terra, isso porque ele praticamente não possui atmosfera para refletir a luz do Sol. "A atmosfera de Mercúrio é tão escassa que os átomos não colidem como na Terra. Essa "falta de ar" também faria com que as estrelas no céu não cintilassem... seriam apenas pequenos pontos iluminados", disse Blewett.

Também não existe chuva em Mercúrio (por não ter atmosfera), então poderíamos esquecer a preocupação com tempestades repentinas, e como ele também não possui vulcões ativos ou água líquida, não precisaríamos nos preocupar com erupções ou tsunamis. Mesmo assim, não estaríamos livres de catástrofes naturais. A superfície de Mercúrio está completamente exposta a impactos de objetos cósmicos, e por não ter atmosfera, não há nada que segure as rochas espaciais. Além disso, podem ocorrer fortes terremotos por lá, não por placas tectônicas como na Terra (Mercúrio não possui atividade tectônica). Segundo especialistas, o pequeno planeta enfrenta forças de maré que o encolhem e esticam diariamente.

Mercúrio tem cerca de 2/5 do tamanho da Terra, e sua gravidade é similar à de Marte (cerca de 38% da gravidade da Terra), portanto, poderíamos pular 3 vezes mais alto lá do que aqui, e qualquer objeto pesado também seria 3 vezes mais leve (inclusive nós mesmos), o que facilitaria qualquer tipo de trabalho braçal na hora da manutenção de nossas instalações, e também o transporte de carga.




E não se esqueça! Qualquer tipo de comunicação com a Terra seria (no mínimo) muito complicada, já que a luz leva cerca de 5 minutos para chegar na Terra, e vice-versa. Isso significa que se você estivesse em Mercúrio e alguém te ligasse perguntando como vão as coisas, levaria 5 minutos para que você ouvisse a mensagem, e mais 5 minutos para a pessoa receber a sua resposta... com certeza não seria uma vida fácil!







Imagens: (capa-ilustração/Galeria do Meteorito/Richard Cardial) / Galeria do Meteorito
09/04/16

Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

10 comentários:

  1. Adoro esse tipo de viagem do pensamento. Gostei muito do primeiro capitulo da série.
    Estou ansioso para ver como será essa viagem, em relação aos gigantes gasosos, que nem superfície possuem. hahaha
    Parabéns Galeria por diversificar o conteúdo! :)

    ResponderExcluir
  2. Antecipando o capitulo de Vênus, sei que viver nele só seria possível se não fosse na superfície. Seria um planeta apenas pra ser contemplado de algum ponto entre o solo e a atmosfera.

    ResponderExcluir
  3. Gostei da matéria,é como se fosse uma reportagem do globo repórter. Aguardo o próximo episódio

    ResponderExcluir
  4. Essa série será muito boa! GDM sempre inovando e trazendo ótimos conteúdos! Parabéns e vida longa!

    ResponderExcluir
  5. Adorei a meteria! Ansioso para os próximos capítulos!

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado a todos pelos elogios! Na verdade, nós é que temos que agradecer a vocês leitores que acompanham nosso site diariamente! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Como assim um dia tem 53 dias terrestres e um ano tem apenas 88 dias

    ResponderExcluir
  9. O dia é determinado pelo movimento de translação, quanto tempo demora para o planeta dar uma volta completa em si mesmo. Quanto maior for a inclinação do planeta, menor será o dia. (Terra = 23°, mercúrio 0,1), o que explica os dias tão longos em mercúrio.
    A rotação é determinada pela órbita do planeta, o tempo que demora para dar uma volta no sol. Quanto mais perto o planeta, menor serão os anos! Mercúrio é o planeta mais próximo ao sol, enquanto a terra é terceira

    ResponderExcluir