'Cometa da Morte' passará próximo da Terra logo após o Dia das Bruxas

cometa da morte 2015 TB145
Lembra daquele asteroide com "cara de caveira"? Ele está de volta!


Em 31 de outubro de 2015, a NASA rastreou um cometa de aparência estranha enquanto ele fazia uma aproximação com a Terra. Esse "cometa", conhecido como 2015 TB145, foi monitorado por diversos observatórios. Por surgir no mês de outubro e se parecer bastante com uma caveira, esse "cometa" ganhou o apelido de "Cometa da Morte" nos artigos internacionais especializados.



Mas é claro que os cientistas deixaram claro que não havia motivo pra preocupação, pois o estranho objeto passou a quase 500 mil quilômetros da Terra (quase uma vez e meia a distância da Lua). em seguida os pesquisadores descobriram que o cometa não apresentava material volátil típico de objetos semelhantes, portanto, não tinha cauda cometária. Logo percebeu-se que tratava-se de um "cometa morto", ganhando o apelido de "Asteroide do Dia das Bruxas" ou "Asteroide Caveira".




Agora, coincidentemente, o "Asteroide Do Dia das Bruxas" ou "Cometa da Morte" (seja lá como você queira chamá-lo) irá passar novamente próximo da Terra logo após o Halloween.

O asteroide 2015 TB145 foi descoberto pela primeira vez em 10 de outubro de 2015, pelo Observatório Pan-STARRS, parte do Programa de Observação de Objetos Próximos à Terra (NEOO). Na época, o sobrevoo deste asteroide - que mede 400 metros de diâmetro - foi o sobrevoo mais próximo do asteroide feito desde 1999.




Na época, o objeto 2015 TB145 foi designado como um cometa, mas que perdeu elementos voláteis (como água congelada, dióxido de carbono, amônia, metano...) após inúmeras passagens próximas do Sol - ou seja, um "cometa morto". Combinado com a sua aparência de caveira, que se tornou evidente graças às imagens de radar fornecidas pelo Observatório do Arecibo, o cometa ganhou rapidamente o seu apelido.

asteroide do dia das bruxas - 2015 TB145 -
Asteroide 2015 TB145 registrado pelo Observatório do Arecibo em Porto Rico.
Créditos: NAIC-Arecibo / NSF

“Descobrimos que o objeto reflete cerca de 6% da luz que recebe do Sol. Isso é semelhante ao asfalto. Apesar de parecer bastante escuro, ele é mais brilhante do que um cometa típico, que reflete apenas entre 3 e 5% da luz solar. Isso sugere sua origem cometária", disse Vishnu Reddy, pesquisador do Instituto de Ciências Planetárias (PSI), em um comunicado de imprensa em 2015.

Mais uma vez, o Asteroide Caveira 2015 TB145 não representará ameaça à vida na Terra. Ele fará sua máxima aproximação com a Terra em 11 de novembro de 2018, alcançando uma distância de 38,6 milhões de quilômetros do nosso planeta. Isso equivale a aproximadamente dez vezes a distância média entre a Terra e a Lua, ou um quarto da distância média entre a Terra e o Sol.




A próxima máxima aproximação do "Asteroide Caveira" com a Terra ocorrerá em 1 de novembro de 2088, quando o objeto passará a uma distância de pouco mais de 8 milhões de quilômetros, segundo estimativas do Programa de Observação de Objetos Próximos da Terra (NEOO). Mais uma vez, não haverá risco de colisão com o nosso planeta.


Imagens: (capa-ilustração/J A Peñas/SINC) / NAIC-Arecibo / NSF
01/10/18


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

8 comentários:

  1. Planeta Terra está sempre na corda bamba, se esquivando de cometas e asteróides, as vezes por muito pouco. É por isso que dizem, que mais cedo ou mais tarde cairá um grande asteroide na Terra. Quando? Espero que não tão cedo. =x

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você caro Milton, é um dos que postam aqui: que domina conhecimentos.

      Portanto, tem capacidade para entender que:

      A grande ameaça para humanidade sempre foi: sua própria desumanidade.

      A extinção do homem em nosso Planeta-H nesse finalzinho da 3° ERA PREDOMINANTE DO ELEMENTO ÁGUA, que ainda vivemos:

      Só viria pelo próprio homem ou por causa do homem: que tudo extingue.

      Excluir
  2. Não sei se sou só eu, mas percebi que recentemente uma certa onda de asteroides e cometas estão aqui pelas redondezas, praticamente toda semana tem notícia de objeto celeste vagando aqui por perto, e agora mais esse. Não que eu acredite que a terra vá se acabar com uma colisão, mas hora ou outra acho que algum desses objetos vai se perder e dar de cara com a Terra, tipo o evento de Tunguska, e o estrago vai ser assustador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É que o monitoramento do céu vem crescendo ano após ano. Há muita gente envolvida nesse trabalho, entre eles: agências espaciais, observatórios governamentais, grupos de astrônomos amadores, etc. É por isso que estão encontrando tantos bólidos nos últimos tempos, mas o fato é que esses objetos sempre estiveram por aí, a única diferença é que antes não conseguíamos monitora-los, pois não tinha tanta gente fazendo esse trabalho.

      Excluir
    2. É verdade... Dêem uma olhada em REA Seção Cometas e no COBS (Comet Observers Database), trabalhos conduzidos principalmente por astrônomos amadores.

      Excluir
  3. Esse aí, o caveirinha: é cara de minha sogra.

    ResponderExcluir