Furacão Beryl evolui para categoria 5 após tempestade solar severa de nível G4 - Veja como o Sol pode 'criar' furacões

Sol criou o furacão Beryl - Sol intensifica tempestades e furacões


Afirmações fortes pedem evidências tão fortes quanto. E aqui iremos mostrar todas elas para vocês. Sim, o Sol foi o responsável pelo desenvolvimento absurdo do Furacão Beryl, que do nada, se torna um furacão de categoria 5 surpreendendo especialistas pela sua velocidade, evolução e impacto assombrosos.


No dia 25 de junho, o Centro Nacional de Furacões (NHC), da NOAA, percebe uma onda de calor de aproximando do mar do Caribe - poderia se tratar de um ciclone tropical. Chance de evolução para as próximas 48h foi estimada em menos de 10%;

No dia 26 de junho, o Centro Nacional de Furacões (NHC), da NOAA, confirma tempestades tropicais sendo formadas, com velocidade de 15 à 20 mph (24 à 32 km/h);

No dia seguinte, 27 de junho, tempestades desorganizadas são relatadas, e um sutil aumento na velocidade, chegando a 25 mph - 40 km/h. A previsão era de piora gradual, e a chance de piora nas próximas horas continuava baixa - em torno de 10% apenas;

No dia 28 de junho somos surpreendidos por uma tempestade solar de nível G4, quando era esperada uma tempestade de baixa intensidade, de nível G1 (no máximo).

Um filamento que havia se desprendido do Sol foi lançado para o espaço, porém, não na direção da Terra. Por existir a chance de recebermos um pequeno golpe de raspão, a NOAA emitiu um alerta para tempestade geomagnética de classe G1 para 28 ou 29 de junho. Mas não foi isso o que aconteceu.

Com um campo magnético interplanetário desfavorável, essa tempestade solar se desenvolve de forma absurda, e como diversos estudos mostram, o clima pode sofrer com tempestades abruptas e intensificação de furacões, bem como chuvas, ventanias e tempestades inesperadas por conta da ionização das camadas atmosféricas e intensificação do Circuito Elétrico Global pelas tempestades solares.

De fato, a partir daí, o que era um ciclone tropical se desenvolve chegando a se tornar um furacão de categoria 5 em pouco tempo, com ventos atingindo uma velocidade absurda de 210 km/h - é confirmado o furacão Beryl.

O Furacão Beryl é um recordista de primeira:
  • Beryl é o 1° furacão da temporada de furacões do verão do hemisfério norte, 
  • o maior furacão a se formar mais cedo em toda a história
  • o furacão da temporada a se formar mais a leste em toda a história, sendo o recorde anterior de 1933
  • o furacão com os ventos mais fortes para um mês de junho da história, sendo o recorde anterior do Furacão Audrey, de 1957
  • o furacão a evoluir mais rápido na história do mês de junho

E nem chegou o mês de julho e o Furacão Beryl já bate outro recorde, como de maior furacão de um mês de julho da história!

Sim. Beryl não é um furacão comum e ele não evolui como a grande maioria dos furacões. Mas o que teria acontecido no dia 28, quando toda essa evolução muda? Sim - a tempestade solar de nível G4 (severa).

(Uma Revisão do Fenômeno de Onda Eletromagnética de Baixa Frequência Relacionado ao Mecanismo de Ligação Troposférica-Ionosférico), de 2011, os cientistas encontram processos ligados ao clima espacial que se desenvolvem em todas as camadas atmosféricas, fazendo com que elas interajam, desde a ionosfera até a troposfera (camada mais inferior).

Os efeitos dos aerossóis, distribuição de vapor de água, parâmetros termodinâmicos e processos de separação e eletrificação de cargas de nuvens na eletricidade atmosférica e nas ondas eletromagnéticas são revisados, e sim, existem interações.

Já no estudo intitulado "Evolution of extratropical cyclones during disturbed geomagnetic conditions" - (Evolução de ciclones extratropicais durante condições geomagnéticas perturbadas), os cientistas apontam que durante distúrbios geomagnéticos, ou seja, durante tempestades solares, as condições se tornam mais favoráveis para intensificação de ciclones, furacões e tempestades.

No artigo "On the role of electromagnetic phenomena in some atmospheric processes" - (Sobre o papel dos fenômenos eletromagnéticos em alguns processos atmosféricos), os cientistas descrevem como as múltiplas camadas da atmosfera terrestre são impactadas e como elas interagem durante distúrbios eletromagnéticos.

Sim - os estudos estão por toda a parte. Aqui citamos apenas 3 quando na verdade são centenas de estudos que corroboram a mesma ideia: o Sol com toda a sua gama de processos que chegam aqui na Terra (flare de radiação, fluxo de partículas carregadas e ejeções de massa coronal), e até mesmo a radiação cósmica, penetram na ionosfera e interagem com o Circuito Elétrico Global, interferindo em aerosois de nuvens, umidade do ar, chuvas, furacões, tempestades, raios, e diversos outros eventos atmosféricos.

Seguimos de olho no Sol.



Imagens: (capa-GOES) / GOES / NASA / divulgação
02/07/2024


Gostou da nossa matéria?
Inscreva-se em nosso canal no YouTube
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.

Um comentário:

  1. Best MLM Software in india at Cryptocurrency MLM Software

    We are specialized in crypto MLM software development and are experienced in designing. Get crpto mlm software at 39999, contact @ 7418977990


    https://www.cryptomlmsoftware.in/contact.php

    ResponderExcluir