Cometa ISON ressurge como uma Fênix!

Assim como nos filmes de Hollywood em que o herói "renasce das cinzas", ISON reaparece, e deixa os especialistas confusos



Tanto a NASA quanto outras agências espaciais como a ESA haviam dito que ISON não havia sobrevivido ao periélio (máxima aproximação) com o Sol, e era isso que as imagens diziam. Aqui mesmo em nosso site, tivemos a chance de observar uma transmissão ao vivo via Hangout feita pela Agência Espacial Norte Americana, e ao final da transmissão, especialistas em cometas e físicos solares confirmaram: ISON não sobreviveu. Porém, após algumas horas do periélio, eis que surge o tão aclamado cometa!


Seria um milagre cósmico? Brincadeiras à parte, logo após o periélio do cometa, era possível observar algum fragmento contornando a superfície solar... algumas horas depois, foi constatado: ISON não se fragmentou! Ou melhor, ele pode ter sim se fragmentado, mas o núcleo principal resistiu ao pesadelo solar. Assim como uma Fênix, pássaro da mitologia grega, ISON, ou parte dele, ressuscitou "das cinzas", e mais uma vez, surpreende os especialistas. 





O futuro de ISON

Apelidado de "cometa do século", não se sabe ainda se será possível observá-lo a olho nu.

Enquanto ISON rumava em direção ao Sol, seu diâmetro era de aproximadamente 1,5 quilômetros com cerca de 2 bilhões de toneladas de gelo e poeira, informaram os cientistas da NASA. Agora, os especialistas estão analisando as imagens do cometa, ou do que restou dele, para avaliar qual será o seu futuro. No momento, ainda é cedo para dizer algo sobre ISON.


Origem

A origem do cometa ISON é a mesma da maioria dos cometas, a famosa Nuvem de Oort, que é uma hipotética região localizada a 7.5 trilhões de quilômetros (50 UA), ou quase 1 ano-luz de distância do Sol. A Nuvem de Oort pode abrigar até 100 bilhões de cometas, e sua massa é aproximadamente 5x a massa da Terra, porém, pouco de sabe sobre essa região do espaço, e muito se baseia por modelos matemáticos.

O cometa ISON foi descoberto em Setembro de 2012 pelos astrônomos amadores russos Vitali Nevski e Artyom Novichonok, utilizando telescópios operados remotamente do International Scientific Optical Network (ISON). A designação oficial do cometa é C/2012 S1 (ISON).


Créditos: SDO / NASA /SOHO / ESA / GSFC
29/11/13

11 comentários:

  1. Seria uma pena, se viesse ao encontro da Terra e aniquilasse a humanidade.

    ResponderExcluir
  2. Matéria supérflua como sempre, só serviu pra deixar as pessoas mais perdidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi repassado o que se sabe até o momento.Vc queria que eles inventassem pra deixar vc feliz?

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  3. se for isso mesmo fiquei muito feliz, mais ja que ele ficou menor acho que não vai dar pra ver a olho nu, mais vamos aguardar !

    ResponderExcluir
  4. Vão no Lasco c3 e Vejam Ele Agora
    Acho Que Está Sumindo :(

    ResponderExcluir
  5. Ele acabou de morrer! Infelizmente... Buááááááááá!!!!!!!

    ResponderExcluir