A Terra terá seu último Eclipse Solar Total em cerca de 600 milhões de anos

Último Eclipse Solar Total da Terra
O último Eclipse Solar Total da Terra já tem data marcada?





O Eclipse Solar Total de 21 de agosto de 2017 tem chamado a atenção do mundo, mas enquanto todos prestam atenção no Sol, devemos nos lembrar que a Lua é a grande responsável por esse fantástico evento astronômico. E como ela está se distanciando do nosso planeta, esses eventos celestiais não irão acontecer para sempre...

O Eclipse Solar Total de 21 de agosto é conhecido como um Eclipse Continental, isso porque ele atravessará todo o continente norte-americano, podendo ser visto em uma área de 70 quilômetros.

Um Eclipse Solar Total acontece apenas quando o disco da Lua passa entre a Terra e o Sol, bloqueando completamente o disco solar e projetando uma sobra no planeta.



"Um Eclipse Solar Total é uma dança entre a Lua, o Sol e a Terra", diz Richard Vondrak, cientista lunar do Goddard Space Flight Center da NASA. "Só pode acontecer quando há um alinhamento perfeito entre a Lua e o Sol em nosso céu."

Eclipse Solar Total - exemplo
Alinhamento entre a Terra, a Lua e o Sol que causa um Elipse Solar Total.
Créditos: NASA

Os Eclipses Solares Totais ocorrem porque a Lua e o Sol, coincidentemente têm o mesmo tamanho aparente no céu. Apesar do Sol ser aproximadamente 400 vezes maior do que a Lua, ele está 400 vezes mais distante do que ela.

Mas esse tamanho aparente não permanecerá dessa forma para sempre. A Lua está lentamente se distanciando da Terra, cerca de 4 cm a cada ano, de acordo com estudos liberados pela NASA. Como resultado, os eclipses solares totais deixarão de existir no futuro distante, quando a Lua se tornará pequena demais no céu para encobrir o Sol completamente.




"Com o tempo, o número e a frequência dos eclipses solares totais irão diminuir", disse Vondrak em uma declaração. "Dentro de aproximadamente 600 milhões de anos, a Terra experimentará a beleza e o drama de um eclipse solar total pela última vez."


Uma chance única

Atualmente, um eclipse solar total ocorre em algum lugar da Terra a cada 18 meses (aproximadamente). Por outro lado, ver um eclipse solar total em um local específico é bastante raro, porque a sombra que a Lua projeta aqui na Terra é bem pequena, limitando a área na qual o eclipse solar total é visível.

"Para ver um eclipse solar total, você (primeiramente) tem de estar no lado diurno do planeta, e você também deve estar no caminho onde a sombra da Lua passará", diz a NASA em um vídeo institucional. "Então, se você está no caminho por onde a sombra da Lua passará, você é bastante sortudo, porque em média, esse mesmo ponto da Terra só estará no caminho de um eclipse solar a cada 375 anos, em média."




Por outro lado, os eclipses solares parciais, aqueles onde apenas uma fatia do Sol é ocultada pela Lua, são bem mais comuns, pois sua área de abrangência é bem maior. O que determina se você verá um eclipse solar total ou um eclipse solar parcial é a umbra e a penumbra.

A umbra é a sombra interna da Lua, mais escura, onde toda a luz solar está sendo eclipsada. Já a penumbra é a parte externa da sombra, onde apenas uma parte do disco solar é eclipsado.

Geralmente os mapas que nos mostram onde um eclipse solar será visível, destacam as duas sombras: a umbra e a penumbra. Com isso, é facilmente perceptível se na sua região você verá um eclipse solar total ou um eclipse solar parcial.




Como exemplo, veja a trajetória da sombra da Lua projetada aqui na Terra no dia 21 de agosto de 2017 - dia do Eclipse Solar Total. Repare que apenas as regiões que estiverem no caminho da sombra escura menor é que presenciarão um eclipse solar total. Já na sombra maior, que abrange uma área significativa do globo, as pessoas presenciarão um eclipse solar parcial.

Eclipse Solar Total de 21 de agosto de 2017 - trajetória
Animação mostra a trajetória do eclipse solar total de 21 de agosto de 2017 com umbra e penumbra.
Créditos: NASA / A. T. Sinclair

Outro fato bastante curioso foi revelado por cientistas da NASA. Dados da sonda Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO) mostraram que montanhas e vales da superfície lunar afetam a passagem da luz do Sol e consequentemente a sombra dos eclipses solares.

Ao cruzar os dados dos mapas topográficos da Lua e dos mapas de elevação da Terra, os cientistas conseguem determinar as áreas da Terra que estarão dentro do caminho da totalidade de um eclipse com uma exatidão inacreditável.




"Com esse tipo de visualização, podemos representar a sombra umbral com mais precisão, considerando a influência da elevação em diferentes pontos da Terra, bem como a forma como os raios de luz atravessam vales lunares ao longo da borda da Lua", comenta Ernie Wright, do Goddard Space Flight Center, da NASA, em uma declaração.

Os dados da sonda LRO também ajudam os cientistas a prever quando e onde poderão ser vistos os grãos de Baily - granulações de luz ao redor da borda da Lua durante um eclipse solar total.

Eclipse Solar de 9 de março de 2016 registrado na Praia de Manggar - Balikpapan, Leste de Kalimantan - Créditos Ezagren
Os "Grãos de Baily" podem ser vistos nessa imagem do Eclipse Solar de 9 de março de 2016 registrado na Praia de Manggar, em Balikpapan, Leste de Kalimantan.
Créditos: Ezagren / Wikimedia Commons

O fenômeno grãos de Baily é causado quando os raios solares atravessam vales e montanhas escarpadas da superfície lunar, e ocorrem por apenas alguns segundos antes e depois da totalidade do eclipse.




Então não se esqueçam! Daqui pra frente, quando forem observar um eclipse solar total ou parcial, deem um pouco mais de atenção pra Lua... afinal de contas, ela é quem faz toda a mágica acontecer.


Imagens: (capa-divulgação) / NASA / A. T. Sinclair / Ezagren / Wikimedia Commons
01/08/17


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTubeTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

7 comentários:

  1. O diâmetro do sol é 400 vezes maior que o da lua, e por estar à essa mesma distância aparenta ter o mesmo tamanho que a lua.

    ResponderExcluir
  2. a esquematização esta mostrando o eclipse passando de oeste para leste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que é perfeitamente normal, já que a terra gira de leste para oeste, então o eclipse tem que ter sentido contrário mesmo

      Excluir
  3. Parabens a quem se preocupa em levar o conhecimento mais longe

    ResponderExcluir
  4. Como exemplo, veja a trajetória da sombra da Lua projetada aqui na Terra no dia 21 de agosto de 2017 - dia do Eclipse Solar Total - nesta figura de animação tem algo preto que desce sobre os Estados Unidos e cai no mar - o que é isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rosi, prestenção, o pontinho preto é onde haverá o eclipse total, a sombra grande é parcial afff...

      Excluir