Nave espacial poderá bombardear asteroides em rota de colisão com a Terra

HAMMER - nave espacial poderá detonar asteroides em rota de colisão com a Terra
Pesquisadores apresentaram HAMMER, a nave que poderá ser carregada com ogivas nucleares!


Cientistas e engenheiros estadunidenses elaboraram planos para a criação de uma nave espacial capaz de destruir grandes rochas espaciais que ameacem o nosso planeta. O método que será utilizado, segundo informações de sites especializados, será um grande impacto, ou até mesmo, explosões com ogivas nucleares.



A nave conceito ganhou o nome de Hypervelocity Asteroid Mitigation Mission for Emergency Response (na sigla HAMMER, que "coincidentemente" significa martelo em inglês). Ela foi apresentada em uma reunião da revista Acta Astronautica, e de acordo com a equipe, a nave conceito também será apresentada em uma conferência de Pesquisas de Asteroides em maio.

Cada nave espacial HAMMER pesaria cerca de 8,8 toneladas. Se uma ameaça de asteroide for detectada cedo o suficiente, uma frota de veículos poderia ser despachada para colidir, sem armas nucleares, com a rocha espacial, mudando sua trajetória para que ela não colida com a Terra.




Mas de acordo com os cientistas, essa estratégia não funcionaria para grandes asteroides que aparecem de surpresa nas cercanias da Terra. Sendo assim, não haveria tempo suficiente para empurrá-lo através de impactos. Com isso, as naves HAMMER seriam equipadas com bombas nucleares a fim de neutralizar a ameaça, informou a equipe de estudo.

ilustração artística de nave espacial indo em direção a um asteroide
Ilustração artística de uma nave espacial indo em direção a um asteroide.
Créditos: divulgação

Os pesquisadores informaram ainda que o "pêndulo cinético" é sempre a abordagem preferida, mas alguns fatores como grandes incertezas ou curto período de resposta, podem fazer com que ele não seja eficiente. Nesses casos, as naves serão equipadas com ogivas nucleares super potentes.


Protegendo a Terra com bombas nucleares - Será?

Essa pesquisa também faz parte de um estudo da NASA e da Agência Nacional de Segurança Nuclear dos EUA, que pretendem entender melhor as opções que a humanidade terá quando um objeto potencialmente perigoso (NEO) vier em direção à Terra.




O estudo e a modelagem foram feitos baseados no asteroide Bennu, numa simulação onde essa rocha espacial de 500 metros estaria em rota de colisão com a Terra. De fato, existe uma pequena chance de cerca de 1 em 2.700 de que isso realmente aconteça em 21 de setembro de 2135.

Tamanho do asteroide Bennu - comparação
Ilustração artística mostra uma comparação de tamanhos entre o asteroide Bennu, o Empire State Building e a Torre Eiffel.
Créditos: divulgação

"Bennu foi selecionado para o nosso estudo porque é o NEO conhecido mais estudado até hoje", escreveram os pesquisadores. "Ele também é o destino da missão de retorno de amostras da nave OSIRIS-REX, da NASA."

A nave espacial OSIRIS-REX está programada para coletar amostras do asteroide Bennu e trazê-las pra Terra, o que deve acontecer em 2023, se tudo der certo. A missão já custou cerca de 800 milhões de dólares.




Ainda não ficou claro quanto custaria cada nave HAMMER, e se de fato elas serão construídas, já que estamos apenas falando da fase conceitual. Questionada, a equipe de estudo se recusou a estimar valores, informaram jornalistas.


Imagens: (capa-ilustração) / divulgação
12/03/18


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 comentários:

  1. Isto é desculpa dos EUA para fabricar armas nucleares ainda mais potentes.Quem garante que os EUA não joguem estas ogivas nos seus inimigos políticos.Queria ver se a China ou a Coréia do Norte divulgassem a intenção de proteger a Terra contra asteroides que vão colidir com a Terra daqui a 200 anos.

    ResponderExcluir
  2. concordo e assim mesmo que eles agem.

    ResponderExcluir
  3. Assim como os dinossauros, nós não conseguimos desenvolver absolutamente nada para impedir uma segunda catástrofe. Olha como somos inteligentes, já estamos há tempos na terra e não avançamos em nada neste sentido. Se acontecer novamente, seremos meros expectadores indefesos e assustados, assim como no passado.

    ResponderExcluir
  4. Se acontecer... vai acontecer.Por isso que estão correndo atras da solução desesperadamente,não é atoa que estamos vendo muito meteorito atingindo agente com mais frequência. primeiro chuvisco depois temporal, reflitam!

    ResponderExcluir