A NASA errou?! O Motor impossível EmDrive parece ser impossível mesmo

a NASA errou - motor impossivel emdrive não funciona
Cientistas alemães afirmam que impulso do EmDrive é falso - seria apenas uma interação eletromagnética...


Já faz alguns anos que pesquisadores da NASA colocaram à prova o EmDrive - um motor espacial misterioso e revolucionário, que parecia funcionar mas ninguém sabia como...

Originalmente, o EmDrive foi desenvolvido por um cientista britânico chamado Roger Shawyer no início dos anos 2000, que alegava que seu motor geraria propulsão através de saltos de microondas em uma câmera cônica. Por não utilizar combustível, esse motor daria um grande salto nas explorações espaciais, tornando tudo mais barato e muito mais eficiente.



Os testes feitos pela NASA deram ainda mais esperança e otimismo aos entusiastas do EmDrive, já que a agência espacial norte americana teria detectado uma certa quantidade de impulso nos testes laboratoriais.

exploração espacial - nave do futuro
Ilustração artística.
Créditos: Shigemi Numazawa / Project Daedalus

Mas o motor EmDrive não deveria funcionar. Tanto é que ele ficou conhecido como "o motor impossível". A Terceira Lei de Newton diz que para cada ação há uma reação igual e oposta, mas essa lei não é aplicada para o caso desse motor, já que ele não explode nada, nem ejeta qualquer material.




Das duas, uma: ou o motor não funciona mesmo, ou a lei de movimento de Newton está errada. Então, pra resolver esse mistério de uma vez por todas, uma equipe de cientistas alemães, liderada por Martin Tajmar, do Instituto de Engenharia Aeroespacial da Universidade Técnica de Dresden, realizou novos testes com o motor EmDrive em uma câmara de vácuo, assim como fizera os pesquisadores da NASA.

Para a surpresa da equipe, "o motor impossível" parece realmente ser impossível. Mas como a NASA não percebeu? Teriam os estadunidenses inventado tudo isso??

Detalhes do motor EmDrive - Martin Tajmar, et al.
Detalhes do motor EmDrive. À esquerda vemos sua cavidade,
no centro sua antena e à direita, o motor está pronto para os testes.
Créditos: Martin Tajmar, et al.

Os alemães até disseram que detectaram algum impulso do motor, mas que logo perceberam que se tratava na verdade de uma interação eletromagnética, entre os cabos do EmDrive e o campo magnético da Terra.

Os resultados do estudo foram apresentados na conferência Space Propulsion 2018, em Sevilha, na Espanha.




Os novos resultados provavelmente não serão a última palavra sobre o misterioso motor EmDrive. Outros pesquisadores provavelmente vão querer dar uma olhada nisso tudo e dar sua sugestão após alguns testes. Ninguém quer ficar de fora, ainda mais agora que a NASA parece ter "errado" em seus testes anteriores. O clima ficou meio "estranho", afinal de contas, "como a NASA não percebeu que o 'impulso' do motor era na verdade uma interação eletromagnética com o campo magnético da Terra?"




O fato é que se você estava contando com o "motor impossível" pra viajar pelo espaço com mais rapidez, talvez você tenha que ter um pouco mais de paciência... tudo indica que não foi dessa vez. Mas quem sabe?!!


Imagens: (capa-SPR/EmDrive) / Shigemi Numazawa / Project Daedalus / Martin Tajmar, et al.
28/05/18


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 comentários:

  1. Um motor AP seria bem melhor! Afinal eles movem as naves já tem algum tempo, e se qualquer mecânico na terra conserta, qualquer mecânico espacial também é ainda da um UP !

    ResponderExcluir
  2. Aproveita e faz um post sobre a nave da ilustração acima (Daedalus) e suas correlatas Orion e Longshot. Projetos fascinantes...

    ResponderExcluir
  3. Realmente,anonimo esses projetos sao muito legais (otimoó para começar uma série nova😀😀😀

    ResponderExcluir
  4. Os cientistas alemães estão dando pano pra manga pros que falam que a NASA inventa tudo.

    Só sei que nada sei!

    ResponderExcluir