Sinais de rádio repetidos estão vindo de uma galáxia a 1,5 bilhões de anos-luz de distância

Sinais de rádio repetidos estão vindo de uma galáxia a 1,5 bilhões de anos-luz de distância
Os cientistas anunciaram a detecção de repetidos sinais de rádio vindos do espaço profundo - o que estaria emitindo? Qual seria a fonte?


Essa é a segunda vez que os pesquisadores detectaram emissões de rádio de forma tão repetitiva, aprofundando ainda mais o mistério sobre a possibilidade desses sinais estarem sendo emitidos por alguma forma de civilização extraterrestre.



Emissões rápidas de rádio podem ser produzidas por explosões de estrelas, atividades ainda não conhecidas de pulsares, interações com buracos negros e até mesmo, por transmissões feitas por alguma forma de vida inteligente. A fonte dessas explosões parece ser uma galáxia localizada a 1,5 bilhões de anos-luz de distância.

Os flashes duram apenas milisegundos, mas contém a mesma quantidade de energia que o Sol leva 12 meses para produzir.




Até hoje, de todos os flashes de rádio já detectados, conhecidos pela sigla FRB (Fast Radio Burst - Rajadas Rápidas de Rádio), esse é o segundo que aparentemente se repete do mesmo local. Essa nova detecção conseguiu captar 13 sinais repetidos, provenientes do mesmo local. Além de se tratar da segunda detecção já descoberta, essa é a que emitiu os sinais de frequência mais baixa já vistos.

localização do observatório CHIME, no Canadá - mapa
Localização do observatório CHIME no mapa do Canadá.
Créditos: divulgação

"Até agora havia apenas um FRB conhecido. Saber que existe uma outra sugere que pode haver mais por aí... podemos ser capazes de entender esse quebra-cabeças cósmico, de onde eles vêm e o que os causa", disse Ingrid Stairs, membro da equipe do CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment) e astrofísica da Universidade da Columbia Britânica, no Canadá.

O artigo publicado na revista Nature mostra que as 13 emissões de rádio ocorreram em apenas 3 semanas, oferecendo um vasto conjunto de dados para os cientistas que estão à procura de sua fonte. Juntos, eles podem oferecer alguma evidência do ambiente extremo ou incomum de onde eles estão vindo, ou então, se seria alguma tecnologia misteriosa de alguma civilização extraterrestre, que estaria lançando esses sinais para o espaço.




"Qualquer que seja a fonte dessas ondas de rádio, é interessante ver a amplitude de frequência que ela pode produzir", disse Arun Naidu da Universidade McGill e membro da equipe de pesquisas.

As emissões de rádio foram descobertas pelos cientistas utilizando o Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment (CHIME) localizado na Columbia Britânica, no Canadá. Das 13 novas explosões que foram detectadas, pelo menos 7 delas foram gravadas a 400 MHz - a menor freqüência de qualquer sinal de rádio já descoberto. Isso sugere que pode haver ainda mais deles, com frequência muito mais baixa para serem detectados.

Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment - CHIME
Radio telescópios do Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment (CHIME).
Créditos: CHIME / divulgação

"Agora sabemos que as fontes misteriosas podem produzir ondas de rádio de baixa frequência que podem escapar de seu ambiente e não estão muito espalhadas para serem detectadas no momento em que chegam à Terra. Isso nos diz algo sobre os ambientes e as fontes", disse Tom Landecker, membro da equipe do CHIME e do Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá. "Não resolvemos o problema, mas ainda há muitas outras peças desse quebra-cabeça."




E como disse Shriharsh Tendulkar, do departamento de física da Universidade McGill, e autor do estudo, "existe muito divertimento no fato de não sabermos. Você continua trazendo mais informações, mas como em todas as ciências, quando você resolve um mistério, sempre surgem outros três..."




Imagens: (capa-CHIME/divulgação) / CHIME / divulgação
09/01/19


Gostou da nossa matéria?
Inscreva-se em nosso canal no YouTube
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.

3 comentários:

  1. Se são uma forma de vida extraterrestre e a galáxia esta a 1,5 bilhão de anos luz da terra significa que esta civilização tem pelo menos 1,5 bilhão de anos que usa a tecnologia das ondas de rádio, a nossa tem 100. Conclusão: eles estariam 1,5 bilhão de anos na nossa frente em desenvolvimento tecnológico.

    ResponderExcluir
  2. Falar de onde vem o sinal que é bom nada né >:(

    ResponderExcluir