Buracos Negros minúsculos atingiram a Terra e a Lua e as provas ainda podem estar por lá

buracos negros na terra e na lua

Imagine dar de cara com um mini-buraco negro passando por aí? Parece que isso pode realmente acontecer...

Um novo estudo sugere que mini buracos negros podem ter "devorado" pedaços da Lua, e até mesmo da Terra, e nosso satélite natural pode guardar respostas para o grande mistério sobre esses enigmáticos micro devoradores.


Os mini-buracos negros são minúsculos devoradores de matéria que, apesar de bem pequenos, têm muitos nomes, sendo chamados também de micro-buracos negros, buracos negros quânticos, buracos negros da mecânica quântica ou mesmo de buracos negros primordiais.


Fato é que, infelizmente (ou felizmente, dependendo do ponto de vista!), eles ainda não foram detectados e portanto não são uma certeza científica, embora na teoria eles existam. E é justamente aí que a Lua pode nos ajudar!

A existência desses mini buracos nos dias atuais é improvável afinal eles seriam tão pequenos que já teriam desaparecido há muito tempo, devido também a radiação Hawking, mas caso tenham mesmo existido (ou ainda existam), essas provas podem ainda estar na Lua.

mini buracos negros atingiram a terra e a lua afirma novo estudo
Imagem: ilustração / ESA / Hubble / N Bartmann

Todos sabemos que nosso satélite natural não tem atmosfera, e portanto mantém sua superfície e sua crosta praticamente inalteradas mesmo depois de muito tempo, então se esses mini buracos negros passaram por lá, as provas ainda podem estar detectáveis até mesmo na superfície de nosso satélite natural.

O estudo feito por Almog Yalinewich, do Instituto Canadense de Astrofísica e por Matthew Caplan da Universidade Estadual de Illinois, afirma que a Lua e a Terra podem ter sido bombardeadas por uma verdadeira tsunami de buracos negros primordiais, que atravessaram o Universo em alta velocidade há bilhões de anos.


O problema é que a radiação cósmica de fundo (que seria um "fóssil" do Big Bang em forma de radiação em micro ondas) não dá evidências de que buracos negros primordiais realmente tenham passado por aqui, mas talvez as crateras de nosso satélite natural possam guardar provas dessa passagem em massa de mini buracos negros, e essas evidências podem ainda estar ao nosso alcance na superfície lunar!

Para o Prof. Caplan, se a matéria escura pode mesmo ser explicada por esses minúsculos buracos negros, então, em algum momento, eles teriam passado e perfurado a Lua. E se isso realmente aconteceu, os efeitos dessas colisões devem ser visíveis ainda hoje. 

Segundo os responsáveis pelo estudo, a destruição de partes da Lua produziria pequenas crateras com alguns metros de largura, e com formas e propriedades bem diferentes daquelas que foram causadas por impactos de asteroides.


Os dois cientistas acreditam que se estudarmos a Lua e encontrarmos crateras que se encaixem na descrição de um impacto de um buraco negro microscópico, teríamos finalmente uma grande evidência da existência desses objetos.

Eles afirmam que o segredo pode estar nos detalhes: seriam sutis mas perceptíveis diferenças entre crateras deixadas por impactos de asteroides e aquelas deixadas por buracos negros primordiais, que são capazes de perfurar a Lua, devorando tudo em seu estreito caminho, até sair do outro lado.

Sim, segundo eles, os mini buracos negros fariam micro-túneis de uma ponta a outra da Lua e até da Terra, a diferença é que a Lua pode ter preservado essas marcas por bilhões de anos.


Ainda segundo os dois especialistas, a força gravitacional dos buracos negros que teriam atingido a Lua seria suficiente para alterar as propriedades da matéria ao seu redor, deixando uma assinatura bem diferente do que causaria um asteroide.

Para provar sua teoria, os autores recomendam uma missão à Lua, enviando rovers ou mesmo astronautas, que poderiam examinar em detalhes algumas crateras, e se eles estiverem corretos, poderíamos finalmente ter evidências sobre o funcionamento desses mini buracos negros, e por consequência da tão especulada matéria escura, que estaria intrinsicamente ligada a esses mini devoradores de matéria.

O estudo foi publicado na 'Monthly Notices of the Royal Astronomical Society', e já tem muita gente achando que realmente vale a pena incluir essa investigação na próxima missão à Lua.


Imagens: (capa-ilustração/Galeria do Meteorito) / 
25/11/2021


Gostou da nossa matéria?
Inscreva-se em nosso canal no YouTube
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.

3 comentários:

  1. Perdoem-me.Teoria completamente redícula,digna de perfeitos idiotas.

    ResponderExcluir
  2. Simples, os cientistas estão dizendo que conseguem provar com uma missão para a Lua, deixa eles irem para lá.

    ResponderExcluir