Veja as primeiras imagens de CBERS 4, o mais novo satélite brasileiro!

Lançado no domingo (7 de dezembro), ele já diminuiu a dependência brasileira dos países mais desenvolvidos


O INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) divulgou nessa semana as primeiras imagens feitas pelo satélite CBERS 4, construído em parceria entre o Brasil e China. As primeiras imagens foram feitas com a câmera multiespectral MUX. que é a primeira câmera para satélites inteiramente desenvolvida e produzida no Brasil. Com 20 metros de resolução, a câmera multiespectral registra imagens no azul, verde, vermelho e infravermelho, em faixas distintas para diferentes aplicações, principalmente no controle de recursos hídricos e florestais.




As imagens foram registradas no último dia 8 pelos técnicos do INPE, e mostram a região de Búzios, no litoral do Rio de Janeiro.

Primeiras imagens divulgadas pelo satélite sino-brasileiro CBERS 4 mostra a região de Búzios, RJ. 
À esquerda, luz visível, e à direita, no infravermelho. Créditos: CBERS / INPE
Clique na imagem para ampliar

O satélite sino-brasileiro viaja a 4,2 km/s , e tem capacidade para 15 minutos de gravação por dia. As fotos registradas pelo satélite compreendem uma área de 120 km a 860 km de extensão.




O satélite CBERS 4 leva menos de 2 horas para completar uma volta na Terra, e foi projetado principalmente para o controle do desmatamento, mapeamento agrícola e controle visual de mais de 90% da América do Sul, e claro, da China. O INPE poderá ainda disponibilizar o material gratuitamente para alguns países da África através de parcerias governamentais.




O CBERS 4 foi lançado no dia 7 de dezembro de 2014 às 03h26 UTC a partir do Centro de Lançamentos de Taiyuan, na China, através de um foguete Longa Marcha 4B, e segundo o INPE, está operando conforme o planejado.

Lançamento do satélite CBERS 4 no dia 7 de dezembro de 2014 através do foguete Longa Marcha 4B.
Créditos: INPE / CAST




Programa CBERS

Satélites de sensoriamento remoto são uma poderosa ferramenta para monitorar o território de países de extensão continental, como o Brasil e a China. Por meio da parceria entre o INPE e a CAST, três satélites já foram lançados: CBERS-1, em 1999; CBERS-2, em 2003; e CBERS-2B, em 2007. Em dezembro de 2013, uma falha impediu o satélite CBERS-3 de entrar em órbita.

Transporte do satélite CBERS 3 na China, antes do lançamento. Créditos: INPE / CAST

O CBERS é importante indutor da inovação no parque industrial brasileiro, que se qualifica e moderniza para atender aos desafios do programa espacial. Além de exemplo de cooperação binacional em alta tecnologia, o CBERS se traduz na criação de empregos especializados e crescimento econômico.

O INPE distribui as imagens de satélite pela internet, sem custo algum ao usuário (acesse aqui). Os dados CBERS são usados no monitoramento de florestas, mapeamentos de áreas agrícolas e do crescimento urbano, entre outros. A disponibilidade dos dados resulta na criação de novas aplicações, com reflexos no desenvolvimento socioeconômico do país.

Para mais informações sobre o programa CBERS, clique aqui.

Fonte: INPE / CAST / Wikipedia
Imagens: INPE / CAST
11/12/14

Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

6 comentários:

  1. Definitivamente o Brasil esta desenvolvendo seu Conhecimento como sempre deveria ter sido. Em 12 anos esta bagaça desenvolveu mais que em 5 séculos, parabéns a todos, já dá orgulho de ser brasileiro.

    ResponderExcluir
  2. Realmente é um grande progresso para o Brasil, e também um começo de "independência espacial", e isto é sinal que o Brasil está crescendo (pelo menos nessa área).

    ResponderExcluir
  3. Pois é... ainda dependemos do estrangeiro... Autonomia que é bom, nada! Para quê servem as escolas afinal? A única coisa que se sabe fazer por aqui é mais filhos, bolsa família e pichações. Gente na área de educação tecnológica, nada. Que novidade, né? Mais uma geringoncinha chinesa como se não bastasse. Tá na hora dos zumbis verde-amarelos acordarem. Ou aprendemos Mandarim...

    ResponderExcluir
  4. Por isso que eu vou ser engenheiro espacial

    ResponderExcluir
  5. As fotos são da região dos lagos, da lagoa de Araruama. Búzios mesmo não aparece na imagem.

    ResponderExcluir