Bola de fogo rasga céus da Venezuela e marca segundo fim de semana consecutivo com bola de fogo na América Latina

bola de fogo na venezuela
Nesse fim de semana, uma bola de fogo riscou os céus da Venezuela causando um brilho intenso e assustando moradores


Sábado, 09 de fevereiro, 19h30 do horário local do estado de Carabolo, Venezuela: uma bola de fogo incrivelmente brilhante e rápida cruzou os céus venezuelanos, podendo ser vista de Caracas, Valencia, Victoria, Aragua, Guárico, e até mesmo da ilha de Curaçao.



Segundo testemunhas, além da grande explosão, as paredes de suas casas tremeram. Mas afinal, o que causou essa bola de fogo na Venezuela?

As imagens e os relatos realmente mostram que a bola de fogo pode ter sido a queda de um meteorito. Infelizmente, poucos relatos puderam ser utilizados de forma acurada. Com ajuda da ferramente Reporte Um Bolido, podemos ter alguns detalhes. Sua cor se tornou alaranjada no final de sua trajetória.

bola de fogo na Venezuela - mapa e observações feitas em Venezuela e Curaçao
Mapa mostra localização de observadores que deixaram o relato na ferramente Reporte Um Bólido.
Créditos: EXOSS / AMS

Até agora, não foi divulgada nenhuma informação sobre investigação, buscas ou coleta de meteoritos relacionados a esse evento. Nenhuma pessoa ficou ferida, segundo jornal local.




As redes sociais foram bombardeadas com vídeos da bola de fogo, porém, segundo a AMS (Sociedade Americana de Meteoros), parte dos vídeos compartilhados não eram verdadeiros, já que mostravam um outro fenômeno ocorrido no México em 2018.


Rumores

Algumas mídias levantaram a hipótese do fenômeno não ter sido a queda de um meteorito, mas sim alguma atividade bélica.

Um dia antes do ocorrido (08 de fevereiro), a conta Russia International News (Notícias Internacionais da Rússia) publicou no Twitter um "alerta" dizendo que em menos de 24h haveria algum acontecimento na Venezuela, uma "bandeira falsa" (como eles disseram) por conta de desentendimentos diplomáticos entre EUA e Rússia relativos à situação política na Venezuela.

twitter - bola de fogo na venezuela
Créditos: Twitter / divulgação

Essa postagem fez com que os rumores e especulações ganhassem maior proporção. Porém, devemos enfatizar mais uma vez que nada foi confirmado até o momento. Autoridades não comentaram sobre o assunto, que permanece apenas como especulação.




Alguns relatos e vídeos também reportam o suposto local de queda bem como um incêndio, porém, isso também não foi confirmado como originário da queda de um meteorito.


Dois seguidos

No dia 1º de fevereiro, uma bola de fogo também riscou os céus de Cuba. Uma diferença entre os dois fenômeno é que o meteoro de Cuba teve uma duração muito mais longa, e foi visto mesmo durante o dia.


Não é possível saber se os dois eventos são relacionados, como por exemplo, se as duas rochas espaciais pertenciam ao mesmo grupo de meteoroides ou asteroides. Por outro lado, não há como ignorar a semelhança e a proximidade desses dois eventos.




Falaremos sobre esse meteoro na Venezuela em uma transmissão ao vivo em nosso canal no YouTube, onde mostraremos mais vídeos e imagens do ocorrido. Participe do chat clicando no vídeo. Aproveite e se inscreva em nosso canal.



Imagens: (capa-divulgação) / EXOSS / AMS / Twitter / divulgação
11/02/19


Gostou da nossa matéria?
Inscreva-se em nosso canal no YouTube
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.

8 comentários:

  1. Não é possível saber se os dois eventos são relacionados, como por exemplo, se as duas rochas espaciais pertenciam ao mesmo grupo de meteoroides ou asteroides.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Considerando que essa bola de fogo na Venezuela tenha sido um meteorito, não sabemos se ele teria alguma relação com aquele que atingiu Cuba no começo do mês. Ou seja: se a rocha espacial dos dois eventos tinham alguma relação, como por exemplo, se pertenciam a algum grupo de rochas espaciais, etc... entendeu?

      Excluir
  2. A única coisa que eu tenho certeza é a de quê a maioria dos satélites americanos, russos e chineses possuem no mínimo 20 ogivas nucleares.

    ResponderExcluir
  3. Blooommm....luz.....calor...extinção.

    ResponderExcluir