AO VIVO: Chuva de Meteoros Quadrântidas 2016 (reprise)

quadrantidas 2016
Uma das maiores chuvas de meteoros do ano acontece entre os dias 03 e 04 de janeiro!



O ano de 2016 começou com novidades! Como se não bastasse um cometa visível nas primeiras horas do dia 1° de janeiro, e um show de auroras polares na virada de ano, agora temos o pico da Chuva de Meteoros Quadrântidas (ou Quadrantídeas). Essa chuva acontece todos os anos, entres os dias 28 de dezembro e 07 de janeiro, mas é entre os dias 3 e 4 de janeiro que ocorre seu pico, ou seja, o momento em que a maior taxa de meteoros pode ser observada por hora! E olha que não é pouco: são cerca de 120 meteoros que podem riscar o céu a cada 60 minutos, o que uma média de 1 meteoro a cada 30 segundos!

O fato é que a chuva de meteoros Quadrântidas só pode ser observada a partir do hemisfério norte, portanto a maior parte da América do Sul, da Oceania e parte da África não pode vislumbrar esse espetáculo magnífico. Mas não perca as esperanças, pois graças a nossa parceria com o Observatório Slooh, teremos aqui uma transmissão ao vivo feita diretamente das Ilhas Canárias, onde poderemos avistar os meteoros quadrantídeos através de câmeras ultra-sensíveis, projetadas especialmente para registrar os brilhos mais fracos que riscam o céu!


Transmissão ao vivo da Chuva de Meteoros Quadrântidas 2016 - reprise

A transmissão ao vivo teve início no dia 03 de janeiro de 2016, às 22h00 pelo horário de verão brasileiro (00h00 UTC). A reprise já está disponível logo abaixo!

Para não perder outros grandes eventos astronômicos, clique aqui e confirme sua presença em todos, assim você recebe um alerta quando estiverem próximos!


Conheça também o site oficial do Observatório Slooh. A cobertura ao vivo teve narração (em inglês) dos astrônomos Bob Berman e Paul Cox.


Como observar a chuva de meteoros Quadrântidas 2016?

A chuva de meteoros Quadrântidas só pode ser vista a olho nu se você estiver no hemisfério norte. O pico da chuva começa por volta das 23h00 do dia 03, e se estende até o amanhecer do dia 04 de janeiro.

O radiante (local onde os meteoros parecem se originar) encontra-se entre as constelações de Bootes, Draco e Ursa Major. Essa região estará a nordeste do céu, como mostra na imagem abaixo:

Radiante da Chuva de Meteoros Quadrântidas 2016 - Nova Deli - India
Radiante da Chuva de Meteoros Quadrântidas vista a partir do hemisfério norte, em Nova Deli, Índia.
Créditos: STELLARIUM / Edição: Galeria do Meteorito

A esteira de fragmentos responsável por essa chuva é espessa, porém muito estreita, o que significa que a taxa de meteoros será alta, mas bem localizada próximo do radiante, e com duração curta, portanto, não perca a chance de observar o céu logo após as 23h00 do seu horário local. Como foi dito anteriormente, a taxa de meteoros será de aproximadamente 120 meteoros por hora, o que faz dessa chuva uma das mais intensas do ano!




Para ter uma boa observação dos meteoros, procure uma região com céu escuro, longe de iluminação artificial (poluição luminosa). Reserve pelo menos uma hora para observar o céu, já que a nossa visão leva cerca de 20 minutos para se acostumar totalmente ao escuro,


Uma constelação que não existe mais...

Geralmente, as chuvas de meteoros recebem os nomes de acordo com a constelação do céu onde localiza-se o radiante, assim como as Perseídas ocorrem na constelação de Perseus, Geminidas em Gêmeos, etc... porém, não existe nenhuma constelação chamada Quadrante... então por quê o nome Quadrântidas ou Quadrantídeas?

Quadrans Muralis - antiga constelação
Antiga constelação de Quadrans Muralis
Créditos: Atlas Coelestis
Isso acontece porque no passado havia uma constelação chamada Quadrans Muralis, mas em 1922 foi incorporada na constelação que atualmente conhecemos como Bootes.

Quadrante era um grande instrumento montado em uma parede, usado para medir ângulos no céu, antes da invenção dos telescópios. O mais famoso astrônomo do século 16, Tycho Brahe, usou um grande quadrante em seu observatório dinamarquês Uraniborg para medir precisamente as posições planetárias, que Johannes Kepler usou posteriormente para desenvolver suas três leis do movimento planetário.

Em 1795, Lalande criou uma pequena constelação entre Boötes e Draco que ele chamou de Quadrans Muralis, mas quando a UAI (União Astronômica Internacional) definiu a lista das 88 constelações oficias em 1922, a Quadrans Muralis não foi inclusa, e hoje em dia seu nome só sobrevive nessa chuva de meteoros.


Origem misteriosa

Os meteoros Quadrantídeos não possuem uma origem definida. Em 2003, o astrônomo Peter Jenniskens tentou identificar o objeto responsável pela chuva Quadrântidas como o asteroide 2003 EH1.

Chuva de Meteoros Quadrantideos - Tommy Eliassen Photography
Meteoro Quadrantídeo registrado em 2014,
junto com belíssimas auroras polares.
Créditos: Tommy Eliassen Photography
Clique na imagem para ampliar

A cerca de 500 anos atrás, astrônomos chineses, japoneses e coreanos observaram o cometa C/1490 Y1, que poderia ser o "pai" da chuva Quadrântidas. Esse cometa pode ainda ser o mesmo objeto avistado pelo astrônomo Peter Jenniskens, que foi avaliado por ele como um asteroide. Até o momento, a origem dos fragmentos que resultam na anual chuva de meteoros Quadrântidas ainda é desconhecida, e talvez, assim permanecerá pra sempre.




Imagens: (capa-ilustração/divulgação) / STELLARIUM / Galeria do Meteorito / Atlas Coelestis / Tommy Eliassen Photography
03/01/16

Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

22 comentários:

  1. kd!?!?! será que estou olhando para o lugar errado?

    ResponderExcluir
  2. kd!?!?! será que estou olhando para o lugar errado?

    ResponderExcluir