Terra está sendo bombardeada por Raios Cósmicos - estamos próximo de bater um Novo Recorde da era Espacial

recorde raios cosmicos
Com o mínimo solar intenso que estamos enfrentando, os raios cósmicos estão cada vez mais intensos em todo o Sistema Solar


O Mínimo Solar está em andamento, e é profundo. A contagem de manchas solares sugere que é um dos mínimos solares mais profundos do século, e com isso, o campo magnético do Sol está mais fraco, permitindo que uma quantidade maior de raios cósmicos entre no Sistema Solar.


Os monitores de nêutrons do Observatório Geofísico Sodankyla, em Oulu, na Finlândia, mostram que os raios cósmicos estão a poucos pontos percentuais para atingir um novo recorde da Era Espacial!

Pesquisadores do Observatório Geofísico de Sodankyla monitoram os raios cósmicos desde 1964. Quando os raios cósmicos atingem a atmosfera da Terra, eles produzem um spray de partículas secundárias que chove na superfície do nosso planeta. Dentre essas partículas estão os nêutrons. Os detectores em Oulu contam nêutrons para aferir a intensidade dos raios cósmicos.

Raios Còsmicos desde 1964

Como mostra o painel superior, os raios cósmicos naturalmente aumentam e diminuem com o ciclo solar de 11 anos. Durante o Máximo Solar, os raios cósmicos são fracos; durante o Mínimo Solar, eles são fortes. O recorde da Era Espacial para raios cósmicos foi estabelecido entre o final de 2009 e o início de 2010, próximo ao final de um Mínimo Solar muito profundo.




Dizem por aí que recordes foram feitos para serem quebrados, e quando 2019 chegar ao fim, podemos ter um novo recorde para raios cósmicos desde o início da Era Esapcial! Podemos estar a semanas ou meses desse novo recorde.

O excesso de raios cósmicos representam um risco à saúde dos astronautas e pilotos / tripulação que viaja próximo dos polos. Até mesmo a eletroquímica da atmosfera superior pode ser afetada, além de que, os raios cósmicos podem servir como gatilho para raios.




A partir de agora, iremos acompanhar com atenção a atividade dos raios cósmicos, e em breve podemos ter novidades!

Falaremos também sobre isso em nossa live que começa às 22h15 no Youtube (canal Galeria do Meteorito). A transmissão ao vivo também estará disponível logo abaixo:


Você pode participar do chat ao clicar no vídeo, pois será redirecionado(a) ao Youtube. Aproveite e se inscreva em nosso canal. Ative o sininho para receber as notificações.


Imagens: (capa-ilustração) / Sodankyla / divulgação
03/10/19


Gostou da nossa matéria?
Inscreva-se em nosso canal no YouTube
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.

6 comentários:

  1. Será que o aumento na quantidade de raios no país tem algo a ver com isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não. Raios (daqueles de tempestade) são femômen...femonê..fenômenos atmosféricos de natureza elétrica, ou seja, são correntes de elétrons.
      Já os raios cósmicos são formados por subpartículas extremamente energéticas, como múons, mésons, (e outros -ons), neutrinos, partículas tau, etc, etc. Pelo pouco que sei, acho que não seriam capazes de influenciar o clima não. Os neutrinos, inclusive, são capazes de atravessar o planeta inteiro sem interagir com um único átomo pelo caminho! Eles são meio esnobes, não são muito sociáveis não.

      Excluir
    2. Obrigado, seu José do Hospício.

      Excluir
  2. Gostaria de ler os comentários, sempre com fundamentos científicos, do outro Zé, aquele!
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquele Zé, se você se refere ao Bonifácio, não tem nada de científico, é só um pobre homem com transtornos mentais que precisa de atenção médica imediata.
      De nada.

      Excluir
  3. Se citarem mais uma vez indevidamente meu genialíssimo pai, volto a comentar aqui, e não saio mais.

    ResponderExcluir