Sodoma e Gomorra Confirmada! Explosão de Meteoro destruiu cidade do Oriente Médio há 3.600 anos

Sodoma e Gomorra Confirmada?! Explosão de Meteoro destruiu cidade do Oriente Médio há 3.600 anos

Realmente foi um asteroide que destruiu as cidades de Sodoma e Gomorra como consta em relatos bíblicos

Já faz um bom tempo que pesquisadores trabalham em escavações no sítio arqueológico de Telel Hamã, no Oriente Médio, onde descobriram uma camada "derretida" de aproximadamente 1,5 m de carvão, cinzas, tijolos e cerâmica.


Tudo indicava que o local sofreu uma terrível tempestade de fogo que destruiu a região gerando essa camada. A grande dúvida era o que teria causado esse evento extremo.

Mas agora, finalmente uma equipe de arqueólogos encontrou evidências de que o evento devastador foi causado por uma rocha espacial - um asteroide.

De acordo com as pesquisas, o asteroide explodiu sobre a cidade a cerca de 3.600 anos atrás, com uma força aproximada de 1.000 bombas atômicas como as de Hiroshima. 

A extensão do evento de Tunguska colocada na região do Oriente Médio, no Mar Morto
A extensão do evento de Tunguska, na Sibéria, sobreposta na região do Oriente Médio, no Mar Morto.
Créditos: Nature / divulgação

As estimativas revelam que a rocha em questão media cerca de 50 metros, explodindo 4 km acima do solo, o que elevou a temperatura do ar para mais de 2.000 ºC e gerou uma onda massiva de choque que se espalhou a mais de 1.200 km/h.


De acordo com os especialistas, 1.200 km/h é algo muito maior que o mais gigantesco tornado já registrado, ou seja: mais que suficiente para esmagar qualquer cidade. 

Os trabalhos no local mostraram que a camada escura de aproximadamente 1,5 metros de espessura que cobria o local, e que foi chamada de "camada da destruição", tinha também pequenos fragmentos diamantoides, que como o nome sugere, são tão duros quanto diamantes. 


Tais estruturas devem ter sido formadas a partir da madeira e plantas da região, que imediatamente foram transformados nesse material parecido com o diamante em função das altas temperaturas e pressões do impacto - experiências em laboratório mostraram que cerâmica e tijolos derretem a temperaturas acima de 1.500 ºC. 

Além dos diamantoides, a camada de destruição revelou também esférulas, que são bolinhas menores que partículas de poeira formadas por ferro e areia vaporizados, materiais que também derretem acima de 1.590 ºC. 


As escavações também mostraram que a camada superficial da cerâmica e do vidro derretido tinha pequenos grãos metálicos que requerem altíssimos pontos de ebulição e até partículas de irídio, que derretem a 2.466 ºC. 

Sodoma e Gomorra por Jacob de Wet II em 1680
Sodoma e Gomorra por Jacob de Wet II em 1680.
Créditos: Domínio Público

Essas evidências indicam que as temperaturas da cidade ficaram bem acima do que qualquer vulcão ou incêndio poderia causar, revelando que o único evento que pode explicar o ocorrido é um impacto cósmico.

Depois de algumas simulações, os pesquisadores criaram alguns cenários e concluíram que o causador de toda essa destruição formidável foi um asteroide parecido com aquele que devastou milhões de árvores na cidade de Tunguska, na Rússia, em 1908


Vale lembrar que materiais e cenário similares a esse foram encontrados em outros locais atingidos por rochas espaciais, como Tunguska e a cratera de Chicxulub, formada pelo asteroide que aniquilou os dinossauros

Os pesquisadores inclusive acreditam que uma possível descrição acabou sendo relatada na Bíblia, através da história que descreve a devastação de um centro urbano próximo do Mar Morto.

A colisão desse asteroide também explicariam o abandono da cidade e de outros assentamentos em seus arredores por alguns séculos após o ocorrido, já que a explosão poderia ter vaporizado e espalhado níveis tóxicos de água do Mar Morto pelo vale, impedindo o cultivo de plantações por toda a região.

Localização de Tall el Hammam no Oriente Médio - NASA - West et al
Localização de Tall el Hammam no Oriente Médio.
Créditos: NASA / West et al

O estudo também ressalta a importância de monitorarmos esse ameaçadores objetos espaciais, afinal novos eventos como esse fatalmente ocorrerão no futuro. Hoje, já conhecemos mais de 26.000 asteroides próximos da Terra, e há outros tantos milhões desconhecidos, ou seja: qualquer cidade pode sofrer no futuro esse mesmo evento extremo que dizimou Telel Hamã.

Todos os detalhes da pesquisa foram resultado de quase 15 anos de escavações e análises de materiais das ruínas da cidade. O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Scientific Reports.



Imagens: (capa-ilustração) / Nature / divulgação / Domínio Público / NASA / West et al
20/10/2021


Gostou da nossa matéria?
Inscreva-se em nosso canal no YouTube
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no Facebook, YouTube, InstagramTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.

14 comentários:

  1. Engraçado que muitos ateus "cientificistas" desprezam a Bíblia (um documento mantido vivo que remonta relatos de milhares de anos) dizendo coisas como "livro de contos de fadas", etc. Engraçado que este episódio mostra que as vezes as histórias mais "absurdas" ou "fantásticas" e "fabulosas", as que menos esperamos, podem vir a se comprovar.
    O que estas pessoas não conseguem compreender é que as pessoas da época não tinham a precisão terminológica para descrever de uma maneira cientificamente correta como hoje, e daí sua descrição era de maneira fantástica — no sentido de estar entusiasmado ou perplexo com a complexidade de um determinado fenômeno, como os autores bíblicos que presenciaram a queda de um asteroide que devastou uma cidade — resultando neste relato da destruição de Sodoma e Gomorra. "Bolas de fogo caindo do céu", etc. Algo que se levar ao pé da letra parece fantasioso, todavia, se souber interpretar a limitação científica da época, pode ser devidamente compreendido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. E o Criador pode usar de "eventos naturais" para cumprir com sua vontade

      Excluir
    2. Estou esperando pelo dia que os cientistas irão explicar como é possível a humanidade ser descendente de Noé, mesmo existindo brancos, negros, asiaticos, indigenas, etc, na sociedade contemporânea. Quero saber como é possível um casal de brancos gerar negros e vice e versa. Quero saber onde é que o criacionismo se encaixa nas multiplas variações de cores de pele e na genética da espécie humana. ;)

      Excluir
    3. Estranho que sua primeira argumentação é «como é possível a humanidade descender de um mesmo ancestral em comum¹, — [então você coloca como contrapartida desse pressuposto em impossibilidade a confrontação de que:], «mesmo existindo brancos, negros, asiáticos e indígenas na sociedade contemporânea»²»; posteriormente, você indaga «como é possível um casal de brancos gerar negros e vice-versa»³. E então finaliza na conclusão[4] onde usa como argumento «as múltiplas variações de cores de pele e na genética da espécie humana». Engraçado que seu comentário se auto-refuta, pois, se você compreende que toda a humanidade moderna com seus quase 8.000.000.000 (oito bilhões) possui alguns ancestrais em comum que compartilhavam de um gene padronizado, que resultou na extinção de outras formas mais arcaicas de humanidade como os neandertais. Por mais que eu não defenda o criacionismo no sentido literal, e em momento nenhum eu argumentei isso no meu texto (sr. ateu militante), é engraçado observar que sua conclusão argumentativa é uma refutação às suas próprias indagações questionativas. Pois, «como é possível haver uma variação genética inúmera interna na humanidade[¹] se partimos de um mesmo ancestral em comum[²]»? — A resposta é a própria teoria evolucionista (a de mais crédito no sentido anti-criacionismo). Ou seja, um determinado grupo de espécimes quando submetidos à um determinado ambiente externo desfavorável, então será forçado à uma adaptação forçada do organismo para com o ambiente externo, resultando em uma mutação genética que resulta na alteração da aparência do organismo, como cor de pele, etc. Ou você acha que cada raça-humana provém de ancestrais distintos? Toda essa variação é apenas consequência da evolução de milhares de anos de uma mesma espécie que compartilha de ancestrais em comuns que eram semelhantes e padronizados.

      Excluir
    4. Como de praxe, as suas crendices se baseiam em desconhecimento sobre a ciência. Recomendo que leia sobre os trabalhos de Oparin, os experimentos de Miller, os trabalhos de seleção de Mendel, os estudos de Darwin, leia sobre genética, mutações, seleções artificiais em espécimes animais e vegetais, daí, quem sabe, você aprende como funciona a evolução. Leia também os clados genealógicos dos primatas, assim descobrirá os elos que ligam o homo sapiens com os macacos. Ou seja, não somos descendentes de uma relação incestuosa da familia de Noé, como diz a Biblia. E nem ao menos o criacionismo é um fato. É uma tese que mal consegue sair das portas dos templos religiosos, por conta do seu completo anticientificismo.
      Mas, apesar das inumeras dicas de estudo que eu sugeri, é elementar que você não vai buscar o conhecimento. Alguém que, na sua idade, ainda não aprendeu a buscar o conhecimento, não vai fazer isso agora, não é mesmo?!

      Excluir
    5. Mas, ora! Sua interpretação de português é precária, você é um analfabeto funcional. Eu repeti duas vezes que não defendo o Criacionismo à moda padrão, e em momento nenhum (muito pelo contrário) me opus à ideia de evolução de Darwin, inclusive a citei como argumento. A única coisa que o senhor ateu militante aí conseguiu fazer foi se esquivar da minha argumentação e fingir-se de um repleto ignóbil, pra ver se assim consegue não responder a argumentação e contra argumentação apresentada.

      Excluir
    6. Você é lento mesmo, hein?! Eu fiz uma provocação inicial, justamente para afirmar que a Biblia é, em grande parte, um livro de conto de fadas. Pouco me importa se você acredita em evolução ou no criacionismo. Isso não mudará em nada a minha vida, e nem a sua crença em Deus brecará o avanço da ciência. A minha intenção inicial foi justamente mostrar que há contradições intransponíveis na Biblia. Obviamente que há textos na Biblia que são relatos de acontecimentos reais, mas há muitas outras coisas que são pura invenção, isso quando não é simples cópias de ideias ainda mais antigas, como é o caso da própria arca de Noé, um plágio da Epopéia de Gilgamesh. ;)

      Excluir
  2. Que falta faz um asteroide desses no lugar certo nos tempos de hoje.

    ResponderExcluir
  3. O noivo vem aí o relógio já vai para

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual será a próxima cidade a ser sodomizada?

      Excluir
  4. A ciência é fascinante.
    A verdade científica está relacionada ao tempo.
    Em 1800 se a verdade era X em 1900 a verdade é Y em 2000 a verdade é Z, "Einstein" teve sérios problemas com isto, a ciência não acreditava no que ele dizia, o tempo passa e ele se torna parte da "ciência moderna".
    A Bíblia sempre foi considerada pela "Ciência Moderna" um conto de fadas.
    A própria existência de Sodoma e Gomorra era um conto de fadas.
    O tempo passa e "Nem tudo um conto de fadas", o tempo passa e a cada dia arqueólogos "descobrem" mais coisas que já estão relatadas à milênios.
    Hoje a Comunidade cientifica moderna ignoram a sabedoria do passado, olham para trás como seres inferiores desprovidos de conhecimento incapazes de conhecer o meio físico em que vive, apenas por não usarem a linguagem científica e a "base de conhecimento contemporânea".
    É muito fácil dizer: o povo daquela época não sabia o que era um meteoro e atribuíram a algo divido, Einstein atribuía todo o universo a algo divido, veja os livros que ele lia "Isis sem véu", as frases "Quero conhecer os pensamentos de Deus"...
    Newton também acreditava em Deus... o problema dele não foi com Deus mas com a Igreja.
    Será que essas mentes brilhantes também são "seres inferiores desprovidos de conhecimento incapazes de conhecer o meio físico em que vive".
    Já notaram que não existem mais estas "mentes brilhantes", hoje a ciência parece viver de fé, fé no que certos cientistas dizem. Existe uma enorme diferença entre estudar o mundo ao seu redor e estudar o que os físicos dizem, quer uma prova:
    90% de quem esta lendo este comentário não sabe porque uma maçã cai da da arvore ate o chão, simplesmente aprenderam que é a "lei da gravidade", como se uma lei explica algo, a lei apenas descreve de forma matemática o que vemos, outros 10% iram atribuir a curvatura do espaço (que o próprio Einstein não explica, apenas descreve).
    Nosso conhecimento sobre o universo é ínfimo, não sabemos quase nada, vivemos que teorias e de fé, seja na fé em alguns teóricos (que se contradizem entre si) ou fé religiosa.
    Como será que Einstein conseguiu o "pouco" conhecimento que ele obteve?
    Não vou responder, pesquisem a respeito, no que ele escreveu, as pistas que ele deixou, tenho certeza que vocês iram se surpreender... ou chama-lo de retrogrado imbecil.

    ResponderExcluir
  5. Ninurta e Nergal querendo matar Marduk e abobada falas sobre o criador que não existe. Negando a História, ERRA a Ciência e mente a religião. A humanidade só perde!!!

    AH, SIM. Ninurta é aquele fiel caçador diante do ''senhor!''

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, a religião costuma mentir.
      A Ciência é o homem tentando entender a criação (normalmente erra).
      A Religião é o homem tentando entender o criador (costume mentir, pois não tem todas as respostas)

      Excluir