Tchau Philae - tchau para sempre!...

Fim da missão do pousador Philae
Em um comunicado oficial, a ESA anunciou o fim da missão do épico pousador Philae



Infelizmente essa é a notícia: a Agência Espacial Europeia (ESA) anunciou o fim de Philae, a única sonda a pousar na superfície de um cometa. O sistema que permite a comunicação entre o orbitador Rosetta e o pousador Philae (que está neste momento na superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko) foi desligado às 09:00 UTC do dia 27 de julho de 2016.

"Chegou a hora da despedida" foi a postagem do Twitter oficial da Philae, ao anunciar o fim de seus trabalhos. "Amanhã, a unidade de comunicação da sonda Rosetta será desligada para sempre."


O fim de uma missão épica

Desde seu pouso na superfície do cometa 67P/C-G, a sonda Philae passou a maior parte do tempo em hibernação, por conta de seu posicionamento. Assim que tocou o solo, no dia 12 de novembro de 2014, Philae teve um pouso um tanto descontrolado, pois os arpões de fixação não funcionaram como o esperado, fazendo a sonda quicar cerca de 3 vezes. atingindo uma altura de até 3.200 km antes de parar completamente numa região escura, que não recebe luz solar suficiente, a beira de um penhasco. Após algumas horas a sonda ficou sem energia, justamente pela falta de luz solar. A localização do pousador era conhecida, mas o orbitador Rosetta nunca conseguiu observá-la de fato.

superfície do cometa 67P - Philae
Essa imagem é um mosaico de duas fotos feitas pela sonda Philae na superfície do cometa 67P/C-G.
Créditos: ESA / Rosetta / Philae / CIVA

Após vários meses de silêncio total, os controladores da missão ficaram entusiasmados no dia 13 de junho de 2015, quando Philae conseguiu enviar algumas informações para sua base. Em seguida ocorreram mais 7 comunicações, mas no dia 9 de julho ela parou novamente.




Desde então, acreditava-se que seria muito difícil a sonda conseguir captar mais energia solar para ligar seus computadores e fazer novas transmissões. A esperança era de que a sonda conseguisse carregar suas baterias assim que o cometa se aproximasse do Sol, mas a vida útil das baterias do orbitador Rosetta também está chegando ao fim, portanto os controladores da missão decidiram interromper qualquer atividade a fim de poupar energia do orbitador Rosetta, que por sua vez, deverá colidir com o cometa assim que a missão terminar, o que deve acontecer no dia 30 de setembro de 2016.

Cometa 67P fotografado pela sonda Rosetta
Imagem do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko capturada no dia 03 de agosto de 2014.
Créditos: ESA / Rosetta

"A combinação de conquistas de Rosetta e de Philae ao encontrar e pousar em um cometa é algo histórico e memorável na exploração espacial", disse Patrick Martin, gerente da missão Rosetta da ESA. "Philae e Rosetta serão sempre lembradas como incríveis sucessos."




E de fato, mesmo com tanto tempo de hibernação, Philae conseguiu atingir 80% de seu objetivo principal em apenas 64 horas de atividades. Ela conseguiu captar imagens detalhadas da superfície do cometa, excelentes visões aéreas, buscou por compostos orgânicos e observou propriedades do ambiente do cometa, revelando detalhes fascinantes dessas grandes bolas de gelo que rodeiam todo o Sistema Solar.

Mas infelizmente, como tudo na vida, sua missão aqui na Terra, ou melhor, lá no cometa, chegou ao fim. e lá ela permanecerá por milhares e milhares de anos, enquanto o cometa durar... Obrigado Philae!



Imagens: (capa-ilustração/ESA) ESA / Rosetta / Philae / CIVA
28/07/16


Gostou da nossa matéria?
Curta nossa página no Facebook
para ver muito mais!


Encontre o site Galeria do Meteorito no FacebookTwitter e Google+, e fique em dia com o Universo Astronômico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

8 comentários:

  1. O grande charme do pousador Philae, foi ter caído em local não previsto e ter perdido contato com a sonda Rosetta. Se por um lado isso impediu que pudéssemos ter mais dados sobre o cometa, por outro isso despertou nas pessoas um sentimento de torcida, de esperança e afeto pelo destino da Philae e a restauração do contato com a Terra. Esse fator ajudou a humanizar uma missão que tinha tudo para ser "apenas" um engrandecedor dos feitos humanos. O destino da Philae nos aproximou ainda mais dessa missão, pois nos mostrou que a humanidade, mesmo no auge da capacidade técnica, ainda é falha... ainda é humana.
    A Philae está aqui ó: ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei do que você escreveu e de como usou as palavras :)
      Enfim, essa missão Rosetta realmente mexeu muito com pessoas do ramo e aproximou outras - seja por curiosidade ou fins matemáticos - e com certeza foi um marco.

      Excluir
  2. Pois é... e as técnicas de aprimoramento das antenas? E quem sabe uma bateriazinha de plutônio para compensar a falta do Sol? Ah não, temos fins melhores para o plutônuio... explodir milhares de vidas em nome de deus. Pois é... Euuropa... e a auto suficiência? É engraçado. Nossas armas de extermínio funcionam tão bem, a passo que sondas espaciais onde seriam mais relevantes em buscar respostas importantíssimas às nossas origens, falham... Olha: tem água demais neste pirão aí. Em terra de cego, quem tem um olho é caolho. O cacoete de esconder algumas coisas, surgido dos EUA, contaminou também o continente europeu. Tá muito mal explicado o caso da Rosetta/Phillae.

    ResponderExcluir
  3. PESSOAL!! Olha só que coisa mais linda. Os Planetários da UNIPAMPA e UFSM no RS estão espalhando para quem se interessar. Lindo demais!!! Não percam!!
    http://chandra.si.edu/olympics/

    ResponderExcluir
  4. O que me chamou mais atenção foi o fato da sonda ter quicado a ultura de 3200 km de altura em relação ao cometa sem sair do raio de atração gravitacional do objeto que muito provavelmente não deve ser muito grande.

    ResponderExcluir
  5. Foi realmente uma missão incrível. Pena não terem escutado o engenheiro que queria buscar evidências de vida. Mas foi muito interessante tudo o que fizeram.

    ResponderExcluir